Revista Veja confirma: posição pró-aborto da Rede Record é ordem direta do Bispo Edir Macedo

             Bispo licenciado da Igreja Universal, o carioca Honorilton Gonçalves, 47 anos, é vice-presidente da Record. Gonçalves é a voz de Edir Macedo na Record — aquele que implementa as idéias do bispo no campo da televisão. Ele deu a seguinte entrevista a VEJA:

 

Revista Veja: “Recentemente, a Record assumiu publicamente a posição pró-aborto — que coincide com a visão da Universal sobre o tema. Por que adotar essa posição?”

 

Bispo Gonçalves: “Foi uma orientação direta do senhor Edir Macedo, que nos pediu que conscientizássemos a sociedade da importância de a mulher poder decidir sobre o seu próprio destino”.

Fonte: Revista Veja http://veja.abril.com.br/101007/p_084.shtml (infelizmente o conteúdo exclusivo para assinantes).

                 Virei inimigo da Rede Record. Por duas vezes promovi, junto com muitos outros blogueiros católicos, boicote a essa rede de televisão (veja aqui e aqui). Hoje, porém, vejo que é preciso um pouco mais que boicotes: façamos uma cruzada contra a Record! Desta vez, o motivo é esta notícia (grifos meus):

 

            Exibir relações homossexuais em novelas já é razão de polêmica no Brasil. Depois da tentativa frustrada de Glória Perez de emplacar um beijo gay em América (2005), é o autor Lauro César Muniz que tenta retomar o assunto em sua trama Poder Paralelo, da Record. O autor não pretende colocar beijo gay na história, mas vai tratar do assunto – de maneira sutil. Não só pelo tabu da TV: é que a novela enfrenta entraves impostos pelo Ministério da Justiça, que classificou o folhetim, que vai às 22 horas, para 14 anos.

            Nessa semana, enquanto o autor busca o Ministério para resolver o dilema da classificação etária – e tentar levá-la para 16 anos -, Paloma Duarte (Fernanda) e Adriana Garambone (Maura) se prepararam para gravar as primeiras cenas de romance entre as suas personagens. “A gente começou a gravar, mas duvido que tudo vá para o ar”, reclama Paloma Duarte.

            Segundo a atriz, a trama de Lauro César está sendo ‘amenizada’ como um todo, e não apenas no suposto romance entre as personagens. “A gente caiu numa censura desmedida. Nunca que essa novela poderia ser indicada para crianças de 12 anos. A gente grava, grava e grava, e muita coisa não vai para o ar. A equipe não gosta muito de falar desse assunto, mas essa é a nossa realidade.”

            Para Paloma, esse é um dos motivos de o folhetim estar sendo tão massacrado pelos críticos. “Quando uma coisa é cortada e isso é visto nitidamente pelo público, é óbvio que a imprensa também vai ver”, opina. “O que as pessoas estão assistindo é um texto sem a identidade do Lauro César. O estilo dele é sensacional, mas está sendo mal aproveitado.”

            Mesmo desanimada, a atriz conta que anda feliz com a abordagem polêmica que o autor pretende emplacar. “Eu já vivi uma homossexual no longa A Partilha (2001), mas, na TV, isso gera muito mais polêmica, justamente por conta da censura.” Mesmo reconhecendo o envolvimento de sua personagem com Maura (Adriana Garambone), Paloma ressalta que as duas não serão propriamente namoradas. “Existirá um envolvimento, as duas vão se unir contra o Bruno (Marcelo Serrado), mas será mais amizade do que paixão e vingança.”

            No folhetim, Adriana é casada com Bruno Vilar (Serrado), que a trai com Fernanda. Unidas, as duas vão descobrir as sacanagens do médico e ainda sua outra amante. Segundo Paloma, o romance entre as personagens ficará por alguns dias confuso na cabeça do telespectador. Decepcionada com o marido, a carente Maura vai beber demais e procurar por Fernanda, para ser consolada.

No fim do mês de Novembro do ano passado, postei aqui um vídeo no qual a TV Record apresentava seu apoio deliberado à funesta prática do aborto. Pedi que fosse feito, pelo menos por parte dos católicos, um boicote a essa emissora. A julgar pelos recordes que foram expostos nesta página do blog da TV Record, não sei se o pedido foi bem acolhido…

            O fato é que, agora, novamente está sendo apresentado na programação da emissora um VT que, na prática é um “comercial” do aborto. Conclamo-vos novamente: boicote è TV Record!

            Eis o vídeo: