I – Mitos Litúrgicos Comentados

O Francisco Dockhorn, do Salvem a Liturgia!, publicou um artigo muito interessante intitulado: Mitos Litúrgicos Comentados – Mito 18 : Usar casula? . Trata-se de um estudo (quase uma “catequese”)  sobre o sentido, a importância, a relevância histórica e o ensino dos Papas sobre as vestes litúrgicas em geral mas, especificamente, sobre o paramento chamado casula. Vale a pena conferir. No texto, o Francisco faz referência ao livro “Introdução ao Espírito da Liturgia”, de autoria do Papa Bento XVI, no qual se diz:


“Pensa-se que a imagem de se revestir de Cristo foi formada nas consagrações dos cultos místicos, em analogia com o culto de vestir máscaras das respectivas divindades. Paulo não fala nem de máscaras nem de ritos, antes de um processo de transformação interior, que tem por objetivo tanto a renovação interior do homem à imagem de Deus como a união dos homens. Tal superação seria a superação das barreiras que crescem e sempre crescerão na história do pecado dos homens. Daí que a imagem de revestir-se de Cristo seja uma imagem dinâmica, que aspira à transformação dos homens e do mundo – ou seja, à nova humanidade. A veste litúrgica evoca o tornar-se como Cristo e a comunidade nova que nasce daí. Ela desafia o sacerdote a pôr-se no caminho para sair da sua própria existência, a fim de se tornar novo com Cristo”.

[…]

Para os Padres, a história do Filho Pródigo regressado era a história da queda de Adão, da falência do homem (Gn 2,7). Eles entenderam a parábola de Jesus como a mensagem do regresso a casa e da reconciliação dos homens entre si: aquele que regressou a casa em Fé recebe de volta a veste primordial e será revestido da Piedade e do Amor de Deus, que constinuem a verdadeira beleza.

_________

II – Capela Virtual

Gostei bastante desta simpática Capela Virtual! Clique e faça sua comunhão espiritual você também!


Eu havia noticiado aqui a interrupção da celebração da Missa Tridentina em Recife. Muitos sites, nacionais e internacionais, também divulgaram a lamentável notícia. Por decisão pessoal e unilateral, o Padre Nildo Leal de Sá – que celebrava há alguns anos a Missa neste rito para mais de uma centena de fiéis, na Paróquia de São Sebastião e São Cristóvão, Imbiribeira – comunicou, no domingo passado, que não mais tornaria a atualizar o Santo Sacrifício de Nosso Senhor segundo as antigas rubricas.

Diante disto, os fiéis – como era de se esperar – não só se entristeceram, como recorreram à S. Excª Revmª, D. Fernando Saburido, para que ele restabelecesse a também chamada Missa Gregoriana nesta gloriosa Arquidiocese de Olinda e Recife. O fato é: D. Vital certamente intercedeu em nosso favor! Explico: O Arcebispo, na manhã de ontem, ouviu um grupo representativo dos fiéis adeptos do Rito Antigo e garantiu-lhes que a Santa Missa continuaria a ser celebrada de acordo com as rubricas do Missal de 1962. Comprometeu-se, ainda, em convencer Pe. Nildo a continuar celebrando para estes fiéis.

Registre-se que Padre Nildo já é, para este grupo de católicos, além de um sacerdote exemplar, um pastor, um guia, um pai espiritual e um magnífico confessor. Estimamos-lhe mais do que ele imagina. E é por esta razão que aguardamos, ansiosos, que ele corresponda à solicitação de D. Fernando aceitando voltar a celebrar para nós.

Quanto ao nosso Arcebispo Metropolita, resta-nos agradecer-lhe de todo coração! Aos seus pés nos pusemos, rogando-lhe abrigo e amparo contra os inimigos da Tradição e contra amantes do modernismo (que tanto nos caluniaram e ofenderam). Ele, por sua vez, não se furtou e nos deu guarida! E agora, sob o seu báculo, continuaremos a vivenciar o Ofício Divino segundo o Sagrado Rito que santificou a tantos nestes dois milênios de Fé Cristã!

É sob o olhar compassivo de D. Fernando que assistiremos ao Santo Sacrifício rezando, inclusive, pelo seu pastoreio. É sobre os ombros de S. Excª que nos apoiaremos para galgar os degraus do céu; e é nele que nos refugiaremos para não ser atingidos pelos dardos inflamados do Maligno (que, muita vezes, infelizmente, se encontra instalado dentro da própria Casa de Deus).

Obrigado, D. Fernando! Coragem, Pe. Nildo!


p.s.: Jorge comentou com mais detalhes a audiência com o arcebispo e publicou uma foto do encontro. Confiram. O Salvem a Liturgia! também noticiou.