Anúncios

Eu só vi agora, mas faz pouco mais de duas semanas que o Estadão publicou a nota abaixo manifestando sua oposição à candidata do governo, Dilma Rousseff, e abrindo mão da [ilusória] imparcialidade jornalística para prestar apoiar claro, explícito, a José Serra. Sem dúvida, foi uma atitude corajosa por parte deste importante veículo de comunicação do país. Parece que, enfim, a imprensa começa a enxergar o grande perigo à liberdade que é deixar que o PT  permaneça no poder.


 

A sociedade brasileira – sobretudo o meio católico – está verdadeiramente fervilhando de notícias em virtude da “corrida presidencial” – que neste dias mais parece “boxe presidencial”.

O Reinaldo Azevedo escreveu um excelente artigo “descendo a lenha” no apoio descarado que o Ministério da Saúde, na pessoa do Ministro José Gomes Temporão [abortista fanático], tem dado à causa abortista. A postagem do Reinaldo denuncia a calhordice de Temporão, que desperdiçou R$ 80.000,00 dos cofres públicos [usando a dotação do Ministério da Saúde] na produção de um vídeo com depoimentos [comprados?] de mulheres que se dizem a favor da descriminalização do aborto. O blogueiro da Veja escreveu:

Os abortistas enchem a boca para afirmar que a interdição é de natureza religiosa e que o estado é leigo. Uma ova! Mais de 70% dos brasileiros são contra a mudança da legislação na área. Se é ou não a religião que move boa parte, pouco importa. O estado brasileiro existe também para os crentes. Ou não? Se o estado tem de ser leigo, e tem, também tem de ser neutro no que diz respeito a paixões. Não cabe ao governo, como gerente desse Estado na área executiva, patrocinar campanhas contra interdições legais. O governo é um servo das leis, não um agente do proselitismo.

Enquanto isso, D. Demétrio Valentini decepciona os católicos brasileiros em uma espécie de “anti-campanha” ou “tentativa desesperada de salvar a campanha de Dilma”: o prelado resolveu “esclarecer e denunciar” aquilo que chamou de “instrumentalização da questão do aborto”. Esta infeliz declaração de D. Demétrio teve algumas implicações péssimas:

 

i)          O blog da Dilma publicou a declaração.

ii)        O Padre José Comblin publicou no site da Adital [“tradicionalmente” diabólico] uma Carta Aberta a D. Demétrio na qual ele endossa o posicionamento do bispo, tece loas ao mesmo, e afirma – quase em tom de ameaça – que “se não houver um esclarecimento público, ficará a imagem de uma igreja conivente com as manobras espúrias”. Pe. Comblin ainda acrescentou, antes de finalizar sua Carta: “Queremos continuar confiando nos nossos bispos e por isso aguardamos palavras claras”.

iii)     Pasmem (ou não!): a CNBB atendeu, solícita, ao pedido do Pe. Comblin e publicou uma Nota em Relação ao Momento Eleitoral. A CNBB está preocupada com os bispos que, sensatamente, estão orientando de forma clara os seus fiéis a não votar em uma candidata cujo partido é **institucionalmente** favorável à descriminalização do aborto. Lamentável.

 

Em meio a esta confusão, a Globo compilou as declarações que Dilma, Serra e Marina – ao longo de sua carreira política – já fizeram a respeito do tema aborto. Em algumas declarações, eles – como diria Dilma (argh!) no debate de ontem na Band -“apenas tergiversam”. Mas em outros pronunciamentos fica claro o posicionamento favorável da candidata petista à descriminalização do aborto. Nas palavras dela, é **um absurdo** que abortar seja crime! \o/ Confiram a matéria no G1.

Por falar em debate na Band, quem não assistiu ontem poderá conferir os 5 rounds da Batalha pelo Poder clicando aqui [os links para o debate estão nos comentários feitos a respeito de cada bloco. Quem não conseguir acessar no site da Band pode assistir no Youtube]. Em tempo: ou o debate foi mal divulgado ou as pessoas encheram a paciência de assistir a este tipo de espetáculo circense: a rede amargou o quinto lugar no Ibope durante a transmissão do debate ontem

O Último Segundo, por sua vez, abriu uma enquete com respostas a meu ver propositadamente mal escritas para saber qual o percentual de pessoas que mudariam de voto em função do tema aborto. Votem clicando aqui! O tempo urge e nós precisamos demonstrar a força de nossas posições. A alternativa a ser escolhida é, obviamente, **a segunda**.

E o Gabriel Chalita? Pensam que ele escapou? Justo ele – que adora escrever cartas para amigos e para a mãe – agora tem que engolir uma Carta de Repúdio à sua pessoa, escrita pelo Pe. Michelino Roberto, do Grupo de Oração Sementes do Espírito, da Paróquia de Nossa Senhora do Brasil, em São Paulo. Não consegui acessar a tal carta pelo site da Paróquia (terão recebido ordens de tirar do ar, como as restrições impostas a alguns vídeos do Youtube que demonstram a incoerência do Chalita?… Nunca saberemos). O fato é que sempre há uma solução: a carta está postada neste blog 😉 Um dos trechos diz:

 

Às vésperas da eleição, vimos também a sua presença marcante no encontro de Dilma com a imprensa para tratar publicamente do “apoio religioso”. Como se já não bastasse, vimos nos jornais de hoje duas notícias que só corroboram com nosso terror: a de que o Sr. fora escolhido para “costurar” apoio de religiosos à candidatura Dilma

[…]

Continuaremos rezando por você para que você reencontre seu caminho, a tanto perdido.

“Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna.” Mateus 5:37

É, Chalita. Se eu fosse você não brincava de papagaio do Lula, não. Tua máscara está caindo…

Por fim, eu não poderia me esquecer de fazer côro à Campanha de Orações pela Salvação do Brasil, que reiniciou hoje! Faltam 20 dias para as eleições do segundo turno. Se rezarmos todos os dias, a começar de hoje, um terço em honra de Nossa Senhora, teremos oferecido um milheiro de ave-marias à Santíssima Virgem para que ela nos livre do flagelo do comunismo. Hoje, 11 de Outubro, a intenção especial é “pela vitória da Verdade, contra a mentira”. Participem! Para mais detalhes acessem o site da Campanha.

p.s.: Aproveitem para rezar a fim de que consigamos que os bispos do Brasil consagrem o país ao Imaculado Coração de Maria. Para que o façam, senão pela benevolência episcopal, ao menos pela insistência dos fiéis que lhes suplicam 😉

 

Dois vídeos, dois homens, dois destemidos, dois pronunciamentos, duas vozes. Mas em tudo isto, uma só motivação: a Fé.

 

———


O Padre

 

O Bispo

Realmente o Brasil cria “um dia especial” para tudo. Vou propor a criação do dia do blogueiro católico 😉  Por que não? O fato é que no dia 20 de agosto se celebra [ou melhor, “eles celebram”] o Dia do Maçom.  O Senado também comemorou essa desgraça em sessão especial [dessas que não têm nada de especial e não se resolve nada, só fazem “encher linguiça”].

Descobrir que existe o Dia do Maçom foi novidade para mim. Não foi novidade, porém, saber que MotoSerra, o careca candidato à Presidência, saudou a Maçonaria neste dia e afirmou que os ideias de “liberté, egalité, fraternité” – princípios basilares da filosofia maçônica e da Revolução Francesa – são também os do Brasil. Serra afirmou [ipsis literis, com grifo meu]: “a sociedade brasileira precisa absorver os ensinamentos acumulados pela Ordem Maçônica”. Duvidam? Então assistam:

 

 

Um outro careca, o Geraldo Alckmin, também fez a sua saudação à Maçonaria ressaltando a importância dela “para o mundo” e colocando-se como parceiro dos seus ideais…

 

É, meus amigos, cada dia percebo mais que estamos em um mato sem cachorro… A diferença entre MotoSerra e Dilma Housseim é só cabelo…

Aos que não sabem as razões pelas quais a Igreja condena – no todo e em cada uma das suas partes – a Maçonaria, recomendo que leiam as sábias palavras de D. Estevão Bettencourt, OSB, neste artigo da Pergunte e Responderemos.

Acabo de receber em minha casa uma carta remetida pela Comunidade Obra de Maria contendo propaganda eleitoreira de dois “irmãos cristãos, católicos praticantes” que são candidatos à Assembléia Legislativa e à Câmara Federal. São eles: Terezinha Nunes e Josenildo Sinésio, respectivamente. Além dos “santinhos” dos políticos nada santinhos veio um cartaz pedindo expressamente o voto em favor dessas duas figuras. Fiz questão de scannear o cartaz e postá-lo aqui. Vejam e leiam. Em seguida, farei os comentários que acho pertinentes:

A Obra de Maria mente descaradamente quando diz que “a Igreja [com “i” maiúsculo mesmo!], aliada a diversos movimentos, rezou, pensou e escolheu (!)” dois defensores da Doutrina Social da Igreja [que seriam Josenildo e Terezinha]. Mentira estrondosa! A Igreja não tem candidatos, a Arquidiocese de Olinda e Recife também não o tem! Será possível que mesmo quando uma coisa é repetida ad nauseam não entra na cabeça de algumas pessoas?

A Igreja não “rezou” para discernir que candidato apoiar coisíssima nenhuma. Tem-se coisas mais importantes pelo que rezar. Por que rezar pelas intenções de Gilberto se podemos rezar pelas do Santo Padre? Além disso, a Igreja  jamais “pensou” em dar apoio a qualquer candidato. A menos que “Igreja” no cartaz seja figura de linguagem para se referir à Obra de Maria…  E, por fim, a Igreja não fez “escolha” de nenhum candidato em detrimento de outro[s]. Desafio: quem achar a ata de eleição de Josenildo e Terezinha na chancelaria de qualquer diocese ou arquidiocese ganha um doce.

A Obra de Maria pode apoiar candidatos em seu próprio nome? Sim, por certo. Mas não têm o direito de usar o nome da Igreja para fazê-lo. Não pode porque a Igreja não autoriza que se faça. Além do que, é uma tremenda imprudência [para não dizer burrice] uma instituição qualquer dar apoio ostensivo a um candidato. Por quê? Porque se, depois de eleito, ele fizer alguma bobagem grande, serão automaticamente jogadas na lama a reputação dele e a de todos quantos mendigaram votos em seu favor. É uma questão de lógica.

Mas, não contente com a bobagem que disse logo na segunda e terceira linhas da propaganda, a Obra de Maria encerrou chamando os candidatos de “verdadeiros representantes da igreja” [agora com “i” minúsculo, mas nem por isso menos errado].

Bem, durante muito tempo acreditei que atitudes como essa eram fruto de ignorância ou até de ingenuidade. Cogitei a possibilidade de algumas pessoas não conhecerem a claríssima instrução da Igreja acerca do não-apoio a quem quer que seja que exerça atividade política-partidária. Hoje em dia não consigo mais vislumbrar essa interpretação excessivamente benedicente. É malícia mesmo. É jogo político sujo da pior espécie – porque finge estar do lado da Igreja, mas contraria despudoradamente a Sua Autoridade.

A respeito do “Fé e Compromisso” registre-se o seguinte: esse grupo surgiu aqui ainda na época em que nos pastoreava S. Excª Revma., D. José Cardoso Sobrinho. Eu, pessoalmente, nunca fui a nenhuma de suas reuniões, mas – pelas informações que recebi de integrantes – surgiu inicialmente com um bom propósito: o de reunir um grupo que pudesse discutir a relação entre fé e política e, na medida do possível, atuar para fazer conhecer a Doutrina Social da Igreja. Entretanto, com o passar do tempo, o Fé e Compromisso parece ter servido de degrau e de palanque para estes dois candidatos…

No caso do apoio ao Sr. Josenildo Sinésio, há um agravante: ele pertence ao Partido dos Trabalhadores – o qual, como é público e notório, é institucionalmente a favor da causa abortista. Registre-se, também, que eu solicitei há algum tempo uma entrevista junto à assessoria de imprensa deste candidato e não obtive sucesso. O e-mail não foi sequer respondido. Terá sido receio de perguntas capciosas que eu certamente faria?… Terá sido o medo de dar a cara à tapa aos católicos que acessam este blog?… Não. Deve ter sido tempo. É sempre a melhor desculpa. Só fico curioso porque não falta tempo para participar de tudo quanto é evento organizado pela Obra de Maria e posar de bom moço para a multidão de carismáticos que a Obra de Maria atrai… Uma outra coisa importante que eu não posso esquecer de falar é que, no ano passado, estive no Gabinete do Josenildo, na Câmara dos Vereadores, acompanhado da Drª Dolly Guimarães. Firmamos com ele o compromisso de estabelecer naquela Casa, formalmente, um Frente Parlamentar Pró-Vida. Entretanto, foi um outro vereador – o Aerto Luna (PRP) – que propôs a criação dessa Frente agora em agosto p.p. Terá sido medo de repreensão por parte das lideranças do PT?…  Nunca saberemos.

Há algum tempo, um amigo comentou essa coisa de “voto é coisa séria”. Voto sério para esse pessoal são “palavras ao vento, palavras apenas…”

O Eto, co-fundador da Canção Nova, deve ter caído de gaiato nessa história toda. Influenciado pela estreita relação entre as duas comunidades, e confiando na sensatez [inexistente] da Obra de Maria, é possível que ele nem tenha conhecimento da propaganda eleitoreira feito com o uso de sua imagem. Rezo para que assim o seja. Porque se ele sabia, a coisa é mais grave ainda: serão duas comunidades, com “alto poder de fogo” sobre os fiéis, insuflando neles uma propaganda que não se coaduna com a orientação da Igreja a este respeito.

Oxalá a Virgem Santíssima, ao contrário do que foi pedido na última linha do cartaz, nos defenda da grande burrada que é votar anestesiado por uma propaganda falaciosa. É pena que o site da Obra de Maria não tenha um e-mail para que os católicos enviem os seus protestos. Na aba “contatos”, todavia, há um formulário eletrônico que permite a comunicação com assessoria de comunicação da comunidade. Escrevam. Reclamem contra a insensatez [para não dizer má-fé…] da Obra de Maria.

Ah, e pelo amor de Deus não me venham com essa história de que a perseguição “confirma” a escolha dos dois fulanos. Depois que fazem a besteira, querem sair como mártires? Na-na-ni-na-não.

Embora o posicionamento da CNBB com relação às próximas eleições seja – a meu ver – tíbio, dúbio e tímido, é notório que se têm multiplicado as iniciativas isoladas de bispos e de regionais em uma verdadeira campanha de conscientização das pessoas para que observem bem os critérios morais cristãos antes de escolher um candidato. Não-católicos também têm se manifestado, e bem!, nesse sentido. É óbvio que ao falar em “moral”, “consciência” e “eleições” esbarramos em um ogro chamado Partido dos Trabalhadores – que é amoral e imoral, que busca cercear ao máximo a liberdade de consciência e que não passa de um monstro faminto por ganhar o próximo pleito eleitoral [o que garante a continuidade da sua ditadura mal-disfarçada].

Cristão não vota no PT. Alguns motivos para esta afirmativa que acabo de fazer estão sutilmente expostos no vídeo abaixo. Embora **haja alguns erros conceituais** [p.ex.: a noção de capitalismo] e **deslizes na maneira de expor alguns assuntos**, acho que é válido assistir ao vídeo. Nele, o Pe. Berardo Graz fala um pouco de defesa da Vida, democracia, lei natural, Valores Cristãos, etc. Tudo aquilo a que o Partido dos Petralhas tem ojeriza. Vejam:

Há quem diga que a escolha de um candidato deve prescindir das nossas “opções religiosas”. Normalmente quem pensa assim começa com aquele velho [e, para mim, insuportável] argumento de que “o Estado é laico, portanto não se pode tomar por base critérios morais ditados pela religião se a decisão do voto também terá impacto na vida dos não-cristãos, ateus e agnósticos”. Então quer dizer que eu devo me desfazer das minhas convicções para aderir a uma convicção que se alinhe ao senso comum? E se o que o senso comum determinar não for o melhor para todos? E se a voz do povo não for a voz de Deus?Vou ter que me consolar com a ideia de que “pelo menos não me dei mal sozinho”? Vou ter que driblar minha consciência, moldar meu posicionamento e minha orientação política para seguir, bovinamente, as escolhas de uma sociedade doente, de um governo corrupto e de um Estado falido? Que mal há em lastrear as minhas escolhas em uma moral religiosa que está arraigada em mim e que eu, sinceramente, acredito ser o melhor não só para mim mas para toda a sociedade?

Há também quem diga: “o PT até pode ser mau, mas o meu candidato é bom. Eles [do PT] podem até ser a favor do aborto, do gayzismo e do comunismo. Mas o meu candidato não é assim”.  Para estes eu diria que uma andorinha só não faz verão. É ingenuidade acreditar que a estrutura viciada das instituições políticas no Brasil se deixará derrubar pela boa vontade de um ou outro candidato. A máquina chamada PT foi feita para arrasar quem discorde dela. Não lembram-se do caso Basssuma? Portanto, não adianta tentar colocar remendo de pano novo em roupa velha. A rotura fica maior ainda [Mt 9,16]. A roupa velha tem que ser jogada fora e substituída por uma veste nova. Além do que, como é que esse candidato supostamente bom vive com a sua consciência – sabendo que engrossa as fileiras de um partido anti-cristão e comprometido com anti-valores?

D. Odilo Pedro Scherer, Cardeal Arcebispo de São Paulo, em uma recente orientação dada ao clero paulista falou nestes termos a respeito dos critérios de escolha de candidatos [grifos meus]:

No entanto, não se deixe de orientar os fiéis para que votem de modo consciente e responsável, dando o apoio a candidatos que sejam afinados com as suas próprias convicções e que, se eleitos forem, não promovam causas contrárias aos princípios cristãos na sua atuação parlamentar, ou executiva, sobretudo no que diz respeito à dignidade da pessoa e da vida, desde a sua concepção até à sua morte natural.

Fiquemos atentos. São palavras de um Príncipe da Igreja. Aos que pretendem desprezar os argumentos e indagações que expus acima, peço que ao menos considerem o parecer do Cardeal, que – diferentemente de mim – não é um zé-ninguém.

Às urnas.