I – A defensora da morte

O caso provocou uma celeuma sem tamanho no meio pró-vida: uma senhorita que, supostamente, trabalha na Defensoria Pública do Estado de São Paulo postou no Twitter a seguinte frase (ipsis literis):

“Na sexta-feira tive o prazer de entregar um alvará autorizando o aborto de um feto anencéfalo. Coisas que só a Defensoria Pública faz por vc”.

Criticada de todos os lados, a tal nanda_morelli, parece não ter suportado a pressão e bloqueou a visualização pública de seu perfil. Mas o Wagner Moura já havia printado a tela, de forma que não há como apagar os vestígios da tosca afirmação que ela fez 😉 Sem prejuízo de tudo aquilo que já foi comentado, quero ajuntar três observações que julgo pertinentes:

i)                  Parece que há abortistas infiltrados na Defensoria Pública e concentrados em atuar na defesa do aborto. Não seria o caso de os autênticos pró-vida fazerem uma presença mais intensa neste organismo do judiciário, com o intuito de defender a vida? Porque esse tal alvará concedido foi um dos que veio a público. E quantos mais foram emitidos sem que tivéssemos conhecimento?… De agora por diante, olho na defensoria!

ii)         Rezemos pela alma do bebê anencéfalo que teve a vida ceifada graças à iníqua autorização de um juiz cuja toga encontra-se enlameada de sangue. Que o Senhor, Justo Juiz, tenha misericórdia de ambos.

iii)            No fim das contas, a senhorita Amanha Morelli, através do seu estúpido comentário, acabou nos fazendo um favor: abriu-nos os olhos para a atuação sorrateira e imoral da Defensoria Pública em matéria de defesa do Direito à Vida. Obrigado, Amanda.

II – Duloren, uma batalha ganha!


Recebi do Pe. Mateus Maria, FMDJ, o seguinte e-mail (reproduzo-o na íntegra):

Ontem mesmo já obtivemos a decisão, o anúncio agressivo contra nós católicos, foi retirado das mídias sociais, isto mostra que nós não podemos nos calar diante das afrontas contra a nossa fé CATÓLICA.

http://portalexame.abril.com.br/marketing/noticias/duloren-divulga-comunicado-anuncio-pedofilia-577335.html

Duloren divulga comunicado sobre anúncio contra pedofilia

Em texto, marca esclarece que não teve intenção de ofender a Igreja em campanha

São Paulo – A Duloren, junto à agência Agnelo Pacheco, divulgou comunicado para esclarecer que não teve intenção de ofender a Igreja Católica em sua nova campanha publicitária. A peça em questão trazia uma modelo de lingerie na praça de São Pedro, no Vaticano. A moça, em primeiro plano, mostrava um crucifixo para um homem de costas (que aparenta ser um padre, por conta da roupa e do ambiente), acompanhado da frase ‘Pedofilia. Não’.

No comunicado, a marca explica que não teve como objetivo ferir crenças religiosas ou fazer críticas a padres ou ao Vaticano. A Duloren também afirma que está retirando o anúncio das mídias sociais (Orkut, Facebook e Twitter) e vai suspender a veiculação nos mais de 20 mil pontos-de-venda do País.

Veja o comunicado na íntegra:

“Campanha contra a pedofilia”

A Duloren junto a Agnelo Pacheco, agência parceira para criação de suas campanhas, esclarece que em nenhum momento houve intenção de ofender a Igreja em sua nova campanha publicitária. Pelo contrário: tanto a marca, quanto a agência, apóiam as instituições religiosas e estão engajadas na luta contra a pedofilia em qualquer instância da sociedade.

O intuito deste anúncio é fazer um repúdio a todo e qualquer caso de abuso sexual contra crianças e adolescentes, uma vez que o assunto tem sido abordado com frequência em recentes reportagens publicadas pela imprensa mundial. Além disso, a Itália foi escolhida como cenário para as novas imagens devido à beleza das locações.

Assim, a campanha não tem como objetivo ferir crenças religiosas ou fazer críticas a padres ou ao Vaticano. Por isso, a marca está retirando o anúncio das mídias sociais (Orkut, Facebook e Twitter) e vai suspender a veiculação nos mais de 20 mil pontos de venda do país.

A Duloren e a Agnelo Pacheco estão constantemente preocupadas em defender causas importantes para as mulheres e para a sociedade. A marca já realizou campanhas contra todo e qualquer abuso sofrido pelas mulheres, em prol dos direitos femininos e, ainda, focadas em outros problemas sociais, como as campanhas contra as queimadas e pela preservação do meio ambiente.

Por fim, as empresas lamentam se o anúncio foi entendido de maneira equivocada e ofensiva, e reiteram que jamais tiveram esta intenção.

          Informo aos leitores deste blog que a não atualização do mesmo [desde a última sexa-feira – 23] decorre de uma falha técnica que já está sendo sanada. 

Com as devidas escusas e contando com a vossa compreensão,

Gustavo Souza

Autor deste blog

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Diante do mal entendido ocorrido em função de uma entrevista minha publicada no Diário de Pernambuco, no último dia 10 do corrente mês, sobre ABORTO, gostaria de esclarecer os seguintes pontos:

1.      Comungo, em todos os sentidos, com a orientação da nossa Santa Igreja que defende a vida e não admite, em hipótese alguma, que ela seja eliminada porque é um dom de Deus e somente a Ele cabe tirá-la.

2.      Em nosso país, não é penalizado o aborto em casos específicos. Com a Igreja, entendo que esta norma contraria os princípios básicos da ética cristã e não pode ser aceita por tratar-se de uma lei que mata.

3.      No caso específico da menina de 10 anos, grávida de quatro meses, vítima de estupro do seu padrasto e submetida a aborto, discordo da solução tomada. Considerei anticristã por ceifar uma vida que poderia perfeitamente ser salva. Não faltaria família que se dispusesse a adotar o bebê, oferecendo-lhe afeto e dignidade.

4.      Neste mesmo dia 10 de abril, dei entrevistas à imprensa pernambucana e, facilmente, pode-se comparar e verificar, na quase totalidade dos casos, o meu posicionamento contrário ao aborto em qualquer situação.

5.      No caso específico do Diário de Pernambuco, considero a entrevista tendenciosa, com perguntas repetitivas, e reconheço que posso não ter sido claro, deixando margem para dúvidas que desejo retificar através desta nota.

6.      Acredito que todos que me conhecem e sabem da minha história, jamais terão dúvidas do meu amor à Igreja e fidelidade ao seu Magistério.

Recife, 15 de abril de 2010.

Dom Antônio Fernando Saburido, OSB

Arcebispo Metropolitano de Olinda e Recife

Eu não publiquei aqui no blog a primeira nota da Diocese de Penedo sobre as [escabrosas] práticas homossexuais de Mons. Luiz Marques Barbosa, de Arapiraca. O caso se tornou conhecido após matéria veiculada no programa Conexão Repórter do SBT. Uma fonte disse-me, hoje, que a equipe deste programa está percorrendo o Nordeste à procura de casos semelhantes ao do ex-Monsenhor Luiz [isto mesmo, ex-Monsenhor: o Núncio Apostólico no Brasil, D. Lorenzo Baldisseri, retirou dele o título de Monsenhor, tendo em vista que este título representa uma honraria papal da qual o referido sacerdote mostrou-se indigno].  Bem, o fato é: o Bispo de Penedo, D. Valério Breda, divulgou uma segunda nota sobre o caso; desta feita, apresentando as medidas que foram tomadas e o atual status do caso. Ei-la na íntegra:

Segunda nota da diocese de Penedo ao Povo de Deus

com relação aos padres acusados de abusos contra terceiros


A celebração da Semana Santa, com suas Liturgias enriquecidas pela fé e pelas belas tradições populares, alcançou especial culminância na Páscoa do Senhor Jesus, celebrada em nossas Paróquias com extraordinário fervor e participação do povo fiel.

Mesmo ainda abalados pelos fatos aberrantes que, como vendaval, sacudiram nossa Diocese, os fiéis católicos e muitos Irmãos evangélicos empreenderam o caminho seguro da penitência e da oração, que só poderá trazer paz e justiça a todos. Com sentimento de grande admiração, agradecemos a atitude magnífica do povo de Deus, que põe sua confiança e sua esperança no sacrifício expiatório da Paixão do Senhor.

Após vinte e quatro dias da primeira NOTA DA DIOCESE DE PENEDO, os desdobramentos que se seguiram pedem que o Bispo Diocesano venha a público para justa e necessária informação ao Povo de Deus e aos meios de comunicação, oferecendo o oficial posicionamento da Diocese, frente aos sinais aviltantes que escarnecem a imagem de nossa Igreja.

Por isso, o BISPO DIOCESANO vem a público para dar justa e necessária informação a todos os fiéis.

  1. A princípio, cabe o esclarecimento de que somente com a veiculação do programa televisivo “Conexão Repórter”, da Emissora SBT, em 11 de março de 2010, apresentando denúncias e identificando os envolvidos, foi que a Diocese tomou conhecimento daqueles fatos.
  2. Reiteramos nossa irrestrita e veemente reprovação de toda conduta escandalosa e possivelmente criminosa do MONS. LUIZ MARQUES BARBOSA, e pela parte que individualmente couber aos demais acusados, do MONS. RAIMUNDO GOMES NASCIMENTO e do PADRE EDILSON DUARTE, do Clero desta Diocese, supostamente envolvidos em atos de abuso ou constrangimento sexual contra terceiros, dentre eles possivelmente menores. Entristece-nos e humilha-nos pensar na situação dramática das possíveis vítimas e da Igreja escarnecida e vilipendiada a causa do comportamento imoral de quem deveria ser mestre de fé e de conduta ilibada. A reportagem televisiva veiculada no mundo inteiro expôs à pública execração o pecado revoltante, que clama por justiça e por inadiável e radical purificação e conversão.
  3. Sentimos ainda mais dilacerante e urgente o apelo por justiça e por reparação, caso seja confirmada a acusação de abuso ou constrangimento sexual contra menores pelos padres citados. Se há jovens vítimas, a Igreja se posiciona incondicionalmente ao lado deles.
  4. Levamos ao público conhecimento que todas as providências previstas no Código de Direito Canônico, estão energicamente sendo tomadas no que se refere a aplicação das penas cabíveis à real condição de cada um dos acusados, a saber:

  1. Com relação ao Monsenhor Luiz Marques Barbosa:

  • Dia 13 de março de 2010: Abertura de Investigação Prévia do Processo Administrativo Penal, de Nº 03/2010;
  • Dia 15 de março de 2010: Nomeação dos Revmos. Padres Daniel do Nascimento Santos e Menete Severiano de Melo Júnior como instrutores e investigadores canônicos;
  • Dia 20 de março de 2010: Notificação da Citação ao referido padre e Afastamento do Ministério Sagrado.
  • Dia 22 de março de 2010: Após a Repreensão Canônica foi imposta a Suspensão Total das Ordens Sagradas, conforme o cân. 1333 § 1;
  • Monsenhor Luiz Marques Barbosa encontra-se em tempo hábil para elaboração de sua ampla defesa.

  1. Com relação ao Monsenhor Raimundo Gomes Nascimento:

  • Dia 13 de março de 2010: Abertura de Investigação Prévia do Processo Administrativo Penal, de Nº 01/2010;
  • Dia 15 de março de 2010: Nomeação dos Rev.mos Padres Daniel do Nascimento Santos e Menete Severiano de Melo Júnior como instrutores e investigadores canônicos;
  • Dia 17 de março de 2010: Notificação da Citação ao referido padre e Afastamento do Ministério Sagrado.
  • Monsenhor Raimundo Gomes Nascimento encontra-se em tempo hábil para elaboração de sua ampla defesa.

  1. Com relação ao Pe. Edilson Duarte:

  • Dia 13 de março de 2010: Abertura de Investigação Prévia do Processo Administrativo Penal, de Nº 02/2010;
  • Dia 15 de março de 2010: Nomeação dos Rev.mos Padres Daniel do Nascimento Santos e Menete Severiano de Melo Júnior como instrutores e investigadores canônicos;
  • Dia 17 de março de 2010: Notificação da Citação ao referido padre e Afastamento do Ministério Sagrado.
  • Dia 31 de março de 2010: Notificação da Repreensão Canônica Pública por ter o referido padre pronunciado declarações inverídicas e infamantes contra o Bispo Diocesano, os Padres e Fiéis, veiculadas em áudio, por meio de órgão de imprensa alagoana, no dia 29 de março de 2010.
  • Pe. Edilson Duarte encontra-se em tempo hábil para elaboração de sua ampla defesa.

  1. Com relação ao Pe. Enaldo da Mota, informamos:

  • No dia 16 de março de 2010, em virtude de rumores que desabonavam a conduta moral do padre, surgidos na cidade de Arapiraca, o Bispo Diocesano o afastou como medida prudencial do Ministério Sagrado e de qualquer outro Ofício ou Encargo Eclesiástico, impondo-lhe residir numa Comunidade Terapêutica.
  • Dia 24 de março de 2010: Após reportagem veiculada pelo programa televiso “Conexão Repórter”, da Emissora SBT, no dia 18 de março de 2010, contendo acusações, supostamente envolvendo o referido padre em atos (ainda não provados) de abuso ou constrangimento sexual contra terceiros, alguns dos quais, possivelmente, menores de idade, o Bispo Diocesano, além do Afastamento do Ministério Sagrado, determinou Abertura do Processo Administrativo Penal em desfavor do Pe. Enaldo da Mota.

  1. Reiteramos o nosso irrestrito compromisso em contribuir eficazmente e favorecer o inquérito policial, instaurado para averiguar a veracidade das denúncias formuladas pelas supostas vítimas, ao tempo em que nos colocamos a total dispor das Autoridades de polícia e da justiça para tudo o que se fizer necessário.

Diante dos escândalos que ferem e desagregam a Grei do Senhor, confiamos na Divina Misericórdia, que nos guie no caminho da penitência e oração e nos conceda o dom da purificação e da conversão, condições indispensáveis para continuar nossa caminhada de Fidelidade a Jesus Ressuscitado.

Dom Valério Breda

Bispo Diocesano de Penedo

Penedo, 06 de abril de 2010

O ENCERRAMENTO DO ANO SACERDOTAL


Caros Presbíteros,

A Igreja sem dúvida está muito feliz com o Ano Sacerdotal e agradece ao Senhor por haver inspirado o Santo Padre a decidir sua realização. Todas as informações que chegam aqui a Roma sobre as numerosas e multíplices iniciativas programadas pelas Igrejas locais no mundo inteiro para realizar este ano especial constituem a prova de como foi bem recebido e – podemos dizer – correspondeu a um verdeiro e profundo anseio dos presbíteros e de todo o povo de Deus. Estava na hora de dar uma atenção especial de reconhecimento e de empreendimento em favor do grande, laborioso e insubstituível presbitério e de cada presbítero da Igreja.

É verdade que alguns, mas proporcionalmente muito poucos, pesbíteros cometeram horríveis e gravíssimos delitos de abuso sexual contra menores, fatos que devemos rejeitar e condenar de modo absoluto e intransigente. Devem eles responder diante de Deus e diante dos tribunais, também civis. Mas estamos antes de mais nada do lado das vítimas e queremos dar-lhes apoio tanto na recuperação como em seus direitos ofendidos.

Por outro lado, os delitos de alguns não podem absolutamente ser usados para manchar o inteiro corpo eclesial dos presbíteros. Quem o faz, comete uma clamorosa injustiça. A Igreja, neste Ano Sacerdotal, procura dizer isto à sociedade humana. Qualquer pessoa de bom senso e boa vontade o entende.

Dito necessariamente isso, voltamos a vós, caros presbíteros. Queremos dizer-vos, mais uma vez, que reconhecemos o que sois e o que fazeis na Igreja e na sociedade. A Igreja vos ama, vos admira e vos respeita. Sois também alegria para nossa gente católica no mundo, que vos acolhe e apoia, principalmente nestes tempos de sofrimentos.

Daqui a dois meses chegaremos ao encerramento do Ano Sacerdotal. O Papa, caros sacerdotes, convida-vos de coração a vir de todo o mundo a Roma para este encerramento nos dias 9, 10 e 11 de junho próximo. De todos os países do mundo. Dos países mais próximos de Roma dever-se-ia poder esperar milhares e milhares, não é verdade? Então, não recuseis o convite premuroso e cordial do Santo Padre. Vinde e Deus vos abençoará. O Papa quer confirmar os presbíteros da Igreja. A vossa presença numerosa na Praça de São Pedro constituirá também uma forma propositiva e responsável de os presbíteros se apresentarem, prontos e não intimidados, para o serviço à humanidade, que lhes foi confiado por Jesus Cristo. A vossa visibilidade na praça, diante do mundo hodierno, será uma proclamação do vosso envio não para condenar o mundo, mas para salvá-lo (cfr. Jo 3,17 e 12,47). Em tal contexto, também o grande número terá um significado especial.

Para essa presença numerosa dos presbíteros no encerramento do Ano Sacerdotal, em Roma, há ainda um motivo particular, que a Igreja hoje tem muito a peito. Trata-se de oferecer ao amado Papa Bento XVI nossa solidariedade, nosso apoio, nossa confiança e nossa comunhão incondicional, diante dos frequentes ataques que lhe são dirigidos, no momento atual, no âmbito de suas decisões referentes aos clérigos incursos nos delitos de abuso sexual contra menores. As acusações contra o Papa são evidentemente injustas e foi demonstrado que ninguém fez tanto quanto Bento XVI para condenar e combater corretamente tais crimes. Então, a presença massiva dos presbíteros na praça com Ele será un sinal forte da nossa decidida rejeição dos ataques de que è vítima. Portanto, vinde também para apoiar o Santo Padre.

O encerramento do Ano Sacerdotal não constituirá propriamente um encerramento, mas um novo início. Nós, o povo de Deus e os pastores, queremos agradecer a Deus por este período privilegiado de oração e de reflexão sobre o sacerdócio. Ao mesmo tempo, propomo-nos de estar sempre atentos ao que o Espírito Santo quer nos dizer. Entretano, voltaremos ao serviço de nossa missão na Igreja e no mundo com alegria renovada e com a convicção de que Deus, o Senhor da história, fica conosco, seja nas crises seja nos novos tempos.

A Virgem Maria, Mãe e Rainha dos sacerdotes, interceda por nós e nos inspire no seguimento de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor.

Roma, 12 de abril de 2010.

Cardeal Cláudio Hummes

Arcebispo Emérito de São Paulo

Prefeito da Congregação para o Clero

Fonte: CNBB

Nota de solidariedade ao Papa Bento XVI

O povo católico de todo o mundo acompanha, com profunda dor no coração, as denúncias de inúmeros casos de abuso sexual de crianças e adolescentes praticado por pessoas ligadas à Igreja, particularmente padres e religiosos. A imprensa tem noticiado com insistência incomum, casos acontecidos nos Estados Unidos, na Alemanha, na Irlanda, e também no Brasil.

Sem temer a verdade, o Papa Bento XVI não só reconheceu publicamente esses graves erros de membros da Igreja, como também pediu perdão por eles. Disso nos dá testemunho a carta pastoral que o Santo Padre enviou aos católicos da Irlanda e que pode se estender aos católicos de todo o mundo.

Mais do que isso, Bento XVI não receou manifestar seu constrangimento e vergonha diante desses atos que macularam a própria Igreja. Firme, o Papa condenou a atitude dos que conduziram tais casos de maneira inadequada e, com determinação, afirmou que os envolvidos devem ser julgados pelos tribunais de justiça. Não faltou ao Papa, também, mostrar a todos o horizonte da misericórdia de Deus, a única capaz de ajudar a pessoa humana a superar seus traumas e fracassos.

Às vítimas o Papa expressou ter consciência do mal irreparável a que foram submetidas. Disse Bento XVI: “Sofrestes tremendamente e por isto sinto profundo desgosto. Sei que nada pode cancelar o mal que suportastes. Foi traída a vossa confiança e violada a vossa dignidade. É compreensível que vos seja difícil perdoar ou reconciliar-vos com a Igreja. Em seu nome expresso abertamente a vergonha e o remorso que todos sentimos”.

Essa coragem do Sucessor de Pedro nos coloca a todos em estado de alerta. Meditamos sobre esses atos objetivamente graves, e estamos certos de que – como fez o Papa – devem ser enfrentados com absoluta firmeza e coragem.

É de se lamentar, no entanto, que a divulgação de notícias relativas a esses crimes injustificáveis se transforme numa campanha difamatória contra a Igreja Católica e contra o Papa. Deixam-nos particularmente perplexos os ataques freqüentes e sistemáticos, ao Papa Bento XVI, como se o então Cardeal Ratzinger tivesse sido descuidado diante dessa prática abominável ou com ela conivente. No entanto, uma análise objetiva dos fatos e depoimentos dos próprios envolvidos nos escândalos revela a fragilidade dessas acusações. O Papa, ao reconhecer publicamente os erros de membros da Igreja e ao pedir perdão por esta prática, não merecia esse tratamento, que fere, também, grande parte do povo brasileiro, que sofre com esses momentos difíceis, e reza pelas vítimas e seus familiares, pelos culpados, mas também pelas dezenas de milhares de sacerdotes que, no mundo todo, procuram honrar sua vocação.

De fato, “a imensa maioria de nossos sacerdotes não está envolvida nesta problemática gravemente condenável. Provavelmente, não chegam a 1% os envolvidos. Ao contrário, os demais 99% de nossos sacerdotes, de modo geral, são homens de Deus, dignos, honestos e incansáveis na doação de todas as suas energias ao seu ministério, à evangelização, em favor do povo, especialmente a serviço dos pobres e dos marginalizados, dos excluídos e dos injustiçados, dos desesperados e sofridos de todo tipo” (cf. Cardeal Cláudio Hummes, 12ºENP).

No momento em que a Igreja Católica e a própria pessoa do Santo Padre sofrem duros e injustos ataques, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil manifesta sua mais profunda união com o Papa Bento XVI e sua plena adesão e total fidelidade ao Sucessor de Pedro.

A Páscoa de Cristo, que celebramos nesta semana, nos leva a afirmar com o apóstolo Paulo: “Somos afligidos de todos os lados, mas não vencidos pela angústia; postos em apuros, mas não desesperançados; perseguidos, mas não desamparados; derrubados, mas não aniquilados” (2Cor 4,8-9). Nossa fé nos garante a certeza da vitória da luz sobre as trevas; do bem sobre o mal; da vida sobre a morte.

              Recebi por e-mail esta corajosa declaração!

 

                                                       Liberdade de expressão

 
               Uma grande rede de televisão do Brasil tem mostrado uma série de propagandas com depoimentos de representantes de várias religiões criticando veladamente a Igreja Católica, por esta defender o direito ao ensino religioso nas escolas, por defender a vida (contra o aborto e a eutanásia), por defender o casamento monogâmico, indissolúvel e natural entre o homem e a mulher, por defender sua fé ao criticar livros ou filmes.
 
              Em uma destas “propagandas”, sempre finalizada com “cidadania, a gente vê por aqui”, colocou um pai de santo defendendo a liberdade de expressão. Dizia ele que “todos têm liberdade de expressar seus pontos de vista e ninguém pode criticar”. Bom, nesta frase já há um cerceamento da liberdade de expressão: “ninguém pode criticar”. 
 
               Se todos têm direito de defender suas convicções, por que criticar de forma tão insistente á Igreja Católica? Não teria ela também liberdade de opinião? Não poderia ela também expressar-se livremente sobre suas convicções, baseadas na Lei Natural e no Evangelho? Não estaríamos vivendo uma eclesiofobia? Bom pensar nisso.
 
               Interessante é que ao começar tal clip a emissora foca telas de internet com a Igreja expressando-se contra união civil de pessoas do mesmo sexo e uma tela com a Igreja manifestando desagrado com textos de um famoso escrito português. Todo mundo pode se expressar, menos a Igreja.
 
              O Concílio Vaticano II, em vários textos, defende a liberdade de expressão, assim como a liberdade de consciência. Ninguém pode ser obrigado a abraçar esta ou aquela forma de pensar e de agir, nem tampouco a liberdade de expor aos outros seus pensamentos, a fim de ser melhor compreendidos e dar ao outro a oportunidade até mesmo de mudar de ideia. Porém alguns grupos em nosso país (e também pelo mundo todo) se acham no direito de empurrar suas opiniões pela nossa garganta a baixo e que não podemos esboçar qualquer reação. Isto fere a própria lei natural. Reclamam de discriminação, mas discriminam quem não concorda com sua posição.
 
              Também faz parte da missão o diálogo: saber ouvir e saber falar. E, se preciso for (se estiver contra o Evangelho de Jesus, que é a única Verdade) mudar nossa opinião e nosso modo de agir, fazer uma verdadeira “metanóia”. Estejamos prontos para o diálogo. Saibamos compreender a voz da Igreja, até mesmo para saber perceber o que possa vir a destoar.
 
                                                                                        

                                                            Pe. Edson Assunção

                   Secretário Nacional da Infância e Adolescência Missionárias