Vejam só como uma coisa leva à outra…

Não sei por que cargas d’água mas o “pedido de demissão” do PTralha Antonio Palocci parece ter conferido a ele uma auréola de retidão, ombridade, e tudo o mais que nele inexiste em ato. De repente, o Tio Patinhos do PT se travestiu de São Dimas, o “Bom Ladrão”. É Brasil, relevemos. Bem, lendo algumas coisas sobre este assunto, deparo-me – sem querer – com um tweet da Marta Suplicy (a atual madrinha da ideologia gayzista no Senado) lamentando a saída do companheiro:

Esta mesma cantiga de lamento já havia sido cantada pelo presidente nacional do PT, Rui Falcão, na Nota Oficial publicada no site do partido poucos minutos antes do tweet da ministra. Acontece que, como disse no início deste post, uma coisa leva à outra… Enquanto eu navegava pelo perfil da ministra, o Twitter me sugeriu seguir um perfil correlato chamado SomosLGBT. Até aí, nada demais. Quem é que não sabe que a ministra gosta de uma sopa de letrinhas? Curioso como sou, fui ver o tal perfil gayzista. E eis que me deparo com a seguinte notícia (que foi um tweet de SomosLGBT): TCU vai verificar possível desperdício com kit anti-homofobia. A manchete havia sido publicada originalmente no Terra.

Ora, ora, em um primeiro momento eu disse a mim mesmo: “até que enfim alguém reconheceu que é um enorme desperdício de dinheiro público confeccionar e distribuir esta porcaria de kit anti-homofobia!”. Mas, não era bem isso… Ao continuar a leitura da notícia, dei-me conta de que, para o TCU, desperdício é ter elaborado o material e não distribuir (!). É como se dissessem: “agora que a coisa (os kits) já está feita, suspender a distribuição é jogar na lata do lixo os recursos empregados quando da produção do material”.

Do ponto de vista estritamente financeiro, de fato o Tribunal de Contas da União tem razão: gastar uma nota com algo que não vai ter mais serventia alguma é, sim, desperdiçar. Contudo, indo um pouco além do aspecto financeiro, é possível perceber como a **visão de mundo** dos cristãos difere da perspectiva da sociedade contemporânea. Como a nossa cartilha de valores e princípios é diferente da moral social hodierna! Enquanto nós, cristãos, damos graças a Deus pelas nossas crianças terem sido privadas desse catecismo imoral e maquiavélico que seria distribuído nas escolas, outros lamentam o prejuízo pouco sem perceber o lucro que dele extraímos.

Sim, eu sei: não cabe ao TCU analisar o conteúdo dos kits, nem avaliar a conveniência de distribui-los como política pública educacional. Todavia, é incrível que apenas os cristãos (e uns poucos “gatos-pingados” de outros credos) sejam capazes de enxergar que mais importante – e mais preocupante! – que o desperdício de dinheiro é o desperdícios de valores, de princípios.

Rezemos, com a firme esperança que também é própria dos que creem no Cristo, para que o Tribunal de Contas possa realmente ajudar a caçar e capturar os inconsequentes que colaboraram na elaboração irresponsável dos malfadados kits anti-homofobia (ou seriam kits heterofóbicos?…).