Reproduzo aqui a íntegra de um excelente post escrito pelo Wagner Moura a respeito de [mais] uma infeliz declaração dada pelo Pe. Fábio de Melo no programa Direção Espiritual, transmitido pela TV Canção Nova. O Jorge Ferraz, a Sandra Katzman, e tantos outros blogueiros se posicionaram, desmascarando o excessivo “respeito humano” que marca o discurso sempre “politicamente correto” deste sacerdote. De fato, chega! É preciso escrever a Dom Carmo João Rhoden (rhodenscj@uol.com.br), bispo da diocese de Taubaté , na qual está encardinado o Pe. Fábio. É preciso escrever à Congregação para o Clero (Palazzo delle Congregazioni – Piazza Pio XII, 3 – 00193 Roma. Ou, por e-mail: clero@cclergy.va) . É preciso protestar contra o trabalho contraproducente deste sacerdote que, no afã de agradar aos ouvidos de muitos, relativiza a moral católica e subestima o potencial danoso da ideologia gayzista que busca se instaurar a todo custo na sociedade, destruindo a família, seus princípios e valores.

—————————————————————————————————————————————————————

Por Wagner Moura

Eu não tenho o direito de usar de palavras agressivas que venham ferir a dignidade das pessoas. [E isso] foi justamente a palavra do deputado Jean, que estava defendendo a causa homossexual naquele momento. Eu creio que o Brasil esteja passando por um momento muito delicado em que nós precisamos fazer prevalecer o bom senso, o equilíbrio, sobretudo no momento em que discutimos essas questões. Não queira ter uma opinião formada sem antes você ter conhecido de verdade o que diz essa bendita lei.” – Pe. Fábio de Melo mostrando o lado bom do PL 122.

Nosso querido Pe. Fábio de Melo foi indagado por uma telespectadora, em seu programa do dia 1/06/11, a respeito do fanatismo religioso que estaria em ascensão no Brasil por causa dos últimos fatos envolvendo a militância homossexual no país (a qual pretende criminalizar a crítica ao homossexualismo além de educar adolescentes de escolas públicas para uma cultura “homoafetiva”). Em resposta, Pe. Fábio comentou as entrevistas ao Jornal Nacional concedidas pelo pastor Silas Malafaia (principal organizador da marcha contra o PL 122, realizada em Brasília, ontem) e pelo deputado federal Jean Willys (ex-BigBrother e principal defensor da criminalização da crítica contra o homossexualismo).

Pe. Fábio expôs o pensamento dos entrevistados. Ele concordou, em tom de ponderação, com a postura do pastor que defendia o direito de poder pregar de acordo com valores contrários à prática homossexual. Depois, com entusiasmo, demonstrou que a posição do deputado Jean também era sensata e, refletindo sobre a mensagem do deputado, o padre falou sobre respeito ao outro e solidariedade:

“O que nós não podemos admitir é que nosso discurso religioso possa ferir a dignidade humana mesmo quando nós queremos ser proféticos. Eu acho que há uma forma de ser profeta sem você precisar ferir a dignidade do outro. Você tem todo direito de se posicionar contrário a muitas coisas mas não tem o direito de perder o que é fundamental ao cristianismo: o amor ao outro. (…) O que eu tenho agora e posso dizer pra vocês é o reconhecimento daquilo que eu considero justo, do que algumas pessoas reinvidicam”.

Uma crítica aos tuiteiros também teve espaço no discurso humanista do Pe. Fábio de Melo. Ele falou sobre fanatismo e cegueira exemplificando o assunto com “a onda do twitter, [na qual] todo mundo [vai] dizendo e querendo forjar uma resposta rápida: você é contra, você é a favor”. Para o padre os cristãos correm risco de ter posicionamento idiotizado sobre uma questão que, a seu ver, ainda não estaria muito claro. “Se você faz questão de defender o posicionamento da sua igreja, não esqueça que a Igreja a quem você serve tem um fundador cuja atitude o tempo todo foi o amor, a solidariedade e o respeito às pessoas. Jesus morreu justamente pelos marginalizados! Precisamos ter muito cuidado para que o nosso discurso não seja um lugar confortável onde nós podemos nos esquecer da nossa verdadeira missão”.

Marcado pelo respeito ao ser humano, em seu discurso do Pe. Fábio de Melo não citou eventos agressivos promovidos por militantes homossexuais contra cristãos. Ações positivas da marcha de 20 mil cristãos organizada em Brasília também não receberam destaque na fala do padre focada em lembrar os cristãos contrários ao PL 122 que a defesa do valor da família não pode ser “desrespeitosa com os seres humanos (…), [pois] isso pode gerar um crime muito pior do que aquele que você está querendo evitar com sua defesa”.