[Na sequência de publicações do livro “O Inferno existe”, de autoria do Padre André Beltrami, SDB, trago-lhes o sétimo capítulo desta obra, publicada em 1897].


————–

CAPÍTULO VII

A vida futura é um programa insolúvel, um programa talvez invencível

São as fórmulas estereotipadas que a impiedade põe na bôca dos que seguem a estrada do vício. No entanto, como se enganam! O problema da vida futura foi plenamente resolvido pela revelação divina e não nos deixa a menor dúvida. Não um homem sujeito a erros, mas o mesmo Deus nos deu a conhecer o que nos espera depois da morte, Deus, a verdade por essência, que não pode enganar-se, nem enganar.

Mas suponhamos por um instante que haja alguma dúvida, e que a existência dos eternos suplícios seja tão somente provável; eu pergunto a quem tem um pouquinho de juízo, se alguém apoiando-se num talvez, pode expôr-se ao perigo de cair naquele fogo terrível. Não é verdadeira loucura arriscar a salvação eterna? Não conviria até neste caso fazer penitência para evitar o perigo provável de ser infeliz para sempre? Não seria prudente o caminho mais seguro?

Dois incréus entraram um dia na cela dum anacoreta e vendo uns instrumentos de penitência, perguntaram-lhe porque vivia assim tão austeramente.

– Para merecer o paraíso, respondeu o anacoreta.

– Bom Padre, lhe disseram êles sorrindo, V. R. sairá logrado se depois da morte não houver mais nada.

E o santo homem olhando-os com ar de compaixão:

– Maior o logro de vossas senhorias, se depois da morte houver alguma coisa!

Narra o Padre Schouppe, que um jovem, pertencente a uma família católica da Holanda, por causa de leituras perigosas, teve a desgraça de perder o tesouro da fé e cair em completa indiferença; pelo que seus pais, e especialmente sua mãe, mulher de grande piedade, estavam tristíssimos. Debalde lhe repetia, qual nova Mônica, as mais graves verdades da nossa Fé, em vão o exortava com as lágrimas nos olhos a volta a Deus; êle se torna surdo e insensível a tudo.

Mas, só para agradar a mãe, resolveu passar uns dias numa casa religiosa para fazer retiro espiritual, ou, como êle mesmo dizia, retirar-se um pouco para fumar mais sossegado. Ouvia muito distraidamente os sermões que se faziam aos retirantes; logo depois ia fumar, pouco se importando de meditar no que ouvira. Veio a meditação sôbre o inferno, que parecia ter êle ouvido como as outras, mas voltando para a cela, enquanto fumava como de costume, surgiu-lhe na mente, mau grado seu, essa reflexão:

– “Se de fato existe evidentemente será para mim… e afinal de contas, como sei que não existe? Devo confessar que não tenho nenhuma certeza a êsse respeito, que para estribar as minhas idéias não tenho senão um talvez. Isso de expôr-se por um talvez ao perigo de sofrer por tôda a eternidade é mesmo uma extravagância sem limites; se há tais néscios, não quero imitar.”

Dessas reflexões passa à oração; a graça penetra na sua alma, dissipam-se-lhe as dúvidas e levanta-se convertido.