Li no Religion em Libertad uma notícia que para mim demonstra com muita clareza o “tipo” de perseguição que se está fazendo aos cristãos em todo o mundo. Não se trata mais de uma proibição do “culto” cristão [como fora nos primeiros séculos], mas sim uma proibição da “cultura” cristã. A perseguição aos símbolos religiosos dos cristãos tem sido advogada por inimigos da Igreja em diversos países sob os mais diferentes motivos.

Na Catalúnia, o Partido Socialista Operário Espanhol [obviamente tinha que ser eles, os malditos comunistas], tentou-se utilizar da seguinte tática: pensaram em proibir o uso da burka por parte das muçulmanas para – alegando tratamento “igualitário” – ter o “direito” de proibir os símbolos cristãos também. Nada mais cretino. Pensaram que tolhendo o direito do Islã estariam “aptos” em tolher a Igreja e a própria sociedade católica. A título de curiosidade, o parlamento francês seguiu um caminho diferente: primeiro proibiu os símbolos religiosos [notadamente a cruz dos cristãos] nos colégios e repartições públicas e só agora está tentando aprovar uma lei contra o uso público da burka.

Graças a Deus, até o presente momento, frente à resistência que o Partido Popular apresentou – recordando que “tanto Espanha como Catalúnia são zonas de tradição cristã” -, o governo não conseguiu levar adiante essa idéia. Rezemos para que não consiga jamais.