março 2010


As ponderações de Dom Henrique, bispo auxiliar de Aracaju, sobre pedofilia


Destaco:

“É preciso deixar claro o seguinte: o atual processo de secularização, de banalização do sagrado, da redução do sacerdócio a uma profissão e do padre a um fazedor de pastoral – esquecendo a ontologia mesma do sacerdócio, isto é, a essência, o ser mais profundo do padre, que pelo sacramento da Ordem torna-se um homem de Deus, um outro Cristo, um homem inteiramente consagrado “às coisas de Deus” -, é isto, precisamente, que leva ao relaxamento e ao enfraquecimento da vida moral de tantos padres”.

IPPF, ONU e folheto pornográfico


Esta semana, en las Naciones Unidas, la Asociación Mundial de Niñas Guías y Exploradoras presentó un panel en el que los adultos no fueron bienvenidos y durante el cual se permitió que la organización Planned Parenthood distribuyera un folleto titulado «Healty, Happy, and Hot» («Saludable, feliz y caliente»). La reunión se celebró en el marco de la sesión anual de la Comisión de la ONU sobre la Situación de la Mujer, que culminará esta semana.

El folleto, dirigido a las personas jóvenes que conviven con el SIDA, contiene información explícita y gráfica sobre el sexo, a la vez que promueve múltiples formas de relaciones sexuales casuales. En él se afirma: «Mucha gente piensa que el sexo es sólo una cuestión de coito vaginal o anal… Pero hay muchas otras formas de tener relaciones sexuales y muchos tipos de sexo. No hay una forma apropiada o inapropiada de tener sexo. ¡Simplemente pásala bien, explora y sé tú mismo!». El folleto luego anima a la gente joven a «Mejorar la vida sexual conociendo el propio cuerpo. ¡Juega contigo! La masturbación es una gran forma de conocer más acerca de tu cuerpo y de lo que te estimula más sexualmente. Combina las cosas, probando diferentes formas de tocarte, de muy suave a dura. Habla de tus fantasías o represéntalas. Díles cochinadas».

A matéria completa encontra-se no Religion en Libertad.

Lula, o imperialista


“Los planes de Lula para apoderarse de Cuba cuando muera Castro”. Será? Não duvido nada…


Los británicos renuncian a “Big Brother” tras una década de seguirlo semanalmente

A notícia é antiga, mas talvez sirva para chacoalhar um pouco a apatia dos brasileiros que ainda dão atenção a este tipo de programação:

Los británicos ya no podrán ver más “Gran Hermano”. Channel 4, la cadena que emite este ‘reality show’ hasta la fecha, pretende deshacerse de él argumentando fundamentalmente razones “creativas”.

El caso británico no es representativo en absoluto de “Gran Hermano” en el mundo, donde el formato continúa obteniendo un magnífico seguimiento en multitud de países, entre ellos España, que en breve estrenará su undécima edición en Telecinco como su reality show más exitoso.

[…]

El director de programación de la cadena, Kevin Lygo, ha señalado que la decisión de poner fin a este espacio, en un principio presentado como un experimento social que analizaría el comportamiento humano, “responde más a cuestiones creativas que comerciales”.

“Ato contra a descriminalização do aborto reúne 3 mil em SP, diz PM”


A Marcha da Cidadania pela Vida aconteceu este fim de semana em São Paulo. Não era de se esperar que houvesse grande divulgação disso por parte de uma mídia anti-cristã, anti-católica e abortista. Depois de muito “catar” na internet, achei esta reportagem no site da Globo – a qual transcrevo integralmente:

Pelo menos 3 mil pessoas participam na manhã deste sábado (20)  da Marcha da Cidadania pela Vida, que percorre ruas do Centro de São Paulo a partir do Viaduto Jacareí com destino à Praça da Sé. A estimativa é da Polícia Militar no início do evento, por volta das 9h30.

Segundo a organização do evento, a ideia é mobilizar a sociedade para que se posicione em defesa da vida desde a concepção e contra as propostas que buscam descriminalizar o aborto no Brasil até o nono mês da gravidez.

Os organizadores da marcha afirmam que o evento é suprapartidário, supra religioso e conta com o apoio de representantes de diversas entidades representativas da sociedade civil.

Ao contrário das estatísticas infladas que os abortistas apresentam quando vão falar da mortalidade materna no Brasil – tentando, com isso, justificar o assassinato de crianças inocentes -, é bem provável que este dado de que “3 mil pessoas participaram do evento” esteja subavaliado. Faz parte da tática abortista: apresentar os atos em defesa da vida como sendo fruto da “rebeldia” de uma minoria fundamentalista. Os que desejarem assistir a um vídeo com as imagens da Marcha podem acessar diretamente o site da Globo clicando no link supra-indicado.

Ah, a Band também publicou matéria a respeito deste assunto.

Por falar em Marcha…


Lembram que o ano passado eu comentei aqui a minha surpresa ao saber da existência da Marcha da Maconha em Recife? Pois bem. Este ano eu soube – através desta matéria – que a justiça suspendeu a Marcha da Maconha em São Paulo:

O promotor de Justiça Walter Tebet Filho argumentou que os organizadores do evento conclamam, por meio de um site na internet, à prática de conduta ilícita, inclusive alardeando que “em ato simbólico, cada um acenderá seu cigarro de maconha”.

O gloriosíssimo São José

O gloriosíssimo São José

“Ite ad Ioseph” é o convite que a Igreja nos faz hoje: “Ide a José!”.  Freqüentemente a Igreja recomendou que os Seus filhos recorressem  a São José, Patrono da Igreja Universal, para que ele nos ensine suas múltiplas virtudes e nos socorra em nossas muitíssimas necessidades. Gosto de uma antiga analogia que compara o Casto Esposo de Maria com uma árvore criada  “não para dar frutos, mas para dar sombra”. De fato, ao glorioso São José sempre foi associada a função de protetor, de guardião. Por isso invocamo-lo sob o título de “custos pudíce Virginis” [casto guarda da Virgem]; e: “Christi defénsor sédule” [zeloso defensor de Cristo]; e ainda: “protector Sanctae Ecclesiae” [protetor da Santa Igreja]. Uma antiga ladainha diz ainda [em referência a São José]: “Constítuit eum dóminum domus suae. Et príncipem omnis possessiónis suae” [Ele constituiu-o Senhor da sua casa. E fê-lo príncipe de todos os seus bens]. Que bonito: José é também administrador das graças divinas [bens], assim como Nossa Senhora é a dispensadora dessas graças. Que ele nos ensine seu silêncio, seu sorriso e sua sabedoria. E, como eu não podia deixar de pedir, que pela poderosíssima intercessão daquele que é “exemplar opíficum” [modelo dos operários], convertam-se os TL’s e os comunistas 😉

Oração I

Ó Deus, que por admirável disposição da vossa Providência Vos dignastes escolher o bem-aventurado José para esposo da Vossa Mãe Santíssima, fazei que mereçamos ter no Céu como advogado aquele que na terra veneramos como protetor. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos. Amém.

Oração II

Guarda e Pai das Virgens, São José, a cuja fiel proteção foram confiados Jesus Cristo, a mesma inocência, e Maria, Virgem das Virgens, em nome de Jesus e de Maria, esse duplo depósito que tão caro vos foi, vos rogo e suplico que me conserveis isento de toda a impureza, para que, com espírito puro e corpo casto, sempre sirva fielmente a Jesus e a Maria. Amém.

Abaixo um pequeno texto de São Josémaria Escrivá sobre São José:

“Ide a José e encontrareis Jesus”

Ama muito S. José, quer-lhe com toda a tua alma, porque é a pessoa que, com Jesus, mais amou Santa Maria e quem mais conviveu com Deus: quem mais o amou, depois da Nossa Mãe. Merece o teu carinho e convém-te dar-te com ele, porque é Mestre de vida interior e pode muito ante Nosso Senhor e ante a Mãe de Deus. (Forja, 554)

José foi, no aspecto humano, mestre de Jesus; conviveu com Ele diariamente, com carinho delicado, e cuidou dele com abnegação alegre. Não será esta uma boa razão para considerarmos este varão justo, este Santo Patriarca, no qual culmina a Fé da Antiga Aliança, Mestre de vida interior? A vida interior não é outra coisa senão o convívio assíduo e intimo com Cristo, para nos identificarmos com Ele. E José saberá dizer-nos muitas coisas sobre Jesus. Por isso, não deixeis nunca de conviver com ele; ite ad Joseph, como diz a tradição cristã com uma frase tomada do Antigo Testamento.

Mestre da vida interior, trabalhador empenhado no seu trabalho, servidor fiel de Deus em relação contínua com Jesus: este é José. Ite ad Joseph.Com S. José o cristão aprende o que é ser Deus e estar plenamente entre os homens, santificando o mundo. Ide a José e encontrareis Jesus. Ide a José e encontrareis Maria, que encheu sempre de paz a amável oficina de Nazaré. (Cristo que passa, nn. 56)

A Igreja inteira reconhece S. José como seu protetor e padroeiro. Ao longo dos séculos tem-se falado dele, sublinhando diversos aspectos da sua vida, sempre fiel à missão que Deus lhe confiara. Por isso, desde há muitos anos, me agrada invocá-lo com um título carinhoso: Nosso Pai e Senhor.

S. José é realmente Pai e Senhor, protegendo e acompanhando no seu caminho terreno aqueles que o veneram, como protegeu e acompanhou Jesus enquanto crescia e se fazia homem. (Cristo que passa, nn. 39).


[Fonte: Blog “Il Gionarle”, do vaticanista Andrea Tornielli. A tradução do italiano foi feita por mim mesmo, às pressas. Os que puderem ler no original, façam-no].

No Giornale de hoje falo da notícia confirmada ontem pelo porta-voz do vaticano padre Federico Lombardi, que anunciou o início dos trabalhos da comissão sobre as aparições de Medjugorje, guiada pelo Cardeal Camillo Ruini. Lombardi não disse nada sobre do grupo liderado pelo ex-vigário de Roma. Segundo soube Il Giornale, entre os membros da comissão estão os cardeais Vinko Pulijc, arcebispo de Sarajevo; Josip Bozanic, arcebispo de Zagabria; Julian Herranz, já presidente do Pontifício Conselho para Interpretação dos Textos Legislativos. Foi chamado a fazer parte também Tony Anatrella, jesuíta e psicólogo francês, junto com outros especialistas em Mariologia. Entre os membros há também leigos. Mas a notícia mais significativa é a ausência, no elenco de cerca de vinte pessoas escolhidas por orientação do Cardela Ruini, do atual bispo de Mostar, Ratko Peric, firmemente contrário ao reconhecimento da autenticidade das aparições e convicto de que nada de sobrenatural acontece naquela aldeia da Herzegovina. Não é possível fazer previsões sobre o tempo necessário para se obter um veredicto, mas a intenção de Ruini é não perder tempo e chegar a uma primeira síntese no fim de 2010. O ex-vigário de Roma não tem posição decisiva sobre o assunto: o seu secretário – hoje bispo – Mauro Parmeggiani, havia ido lá com alguns peregrinos; e o próprio cardeal tinha próximas a si pessoas emocionalmente envolvidas com o fenômeno.  O ponto de partida imprescindível, no entanto, aquele da contrariedade expressa de ambos os bispos que se sucederam na liderança da diocese de Mostar, desde o início das aparições – ao contrário do que aconteceu, por exemplo, em Lourdes, quando foi o próprio bispo diocesano a reconhecer a autenticidade das visões de Santa Bernadette Soubirous. O bispo de Mostar à época das aparições, Pavao Zanic, chegou a definir Medjugorje “a maior farsa [truffa] da história da Igreja”. Mas em Abril de 1991, a Conferência Episcopal Iugoslava estava muito mais cautelosa e havia utilizado nas suas declarações a clássica expressão de prudência, não sendo tendenciosa a aprovar nem rejeitar, sinal de que não havia elementos suficientes para dizer “sim”, e não havia tampouco provas de que se tratasse de uma farsa como sustentava, contrariamente, o bispo: “Com base na investigação realizada até o momento, não é possível afirmar que se trata de aparições e fenômenos sobrenaturais”. Segundo diversos testemunhos, entretanto, o Papa Wojtyla parecia estar pessoalmente convencido da autenticidade.

I – PNDH3 – Será uma luz no fim do Túnel?

A Canção Nova publicou ontem no fim da tarde:

“O governo federal vai alterar o Decreto 7.037/2009, que instituiu a 3ª edição do Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH3)O secretário especial de Direitos Humanos, ministro Paulo Vannuchi, disse que as modificações que serão feitas abrangem os seguintes pontos: “proposições sobre aborto, sobre o uso de símbolos religiosos em prédios públicos e sobre a mediação de conflitos agrários”.  Rezemos que seja um lapso de bom-senso.

II – Frei Betto, um palestrante nada bem-vindo

São Francisco de Assis, antes de entrar em uma cidade ou vilarejo para fazer qualquer tipo de missão religiosa, solicitava a autorização do bispo daquele lugar. Se obtivesse a tal autorização, ele entrava; caso contrário, em respeito e obediência ao ordinário local, ele jamais ousaria fazê-lo. Se Frei Betto seguisse esse exemplo [e os bispos tivessem a coragem de agir como devem, i.e., negando ingresso a ele], talvez não pregasse em lugar algum.

O caso é o seguinte: Frei Betto foi convidado a participar das “Quartas de Paz” – um projeto da Comissão Arquidiocesana de Justiça e Paz de São Luís do Maranhão. Um dos mais tradicionais colégios de São Luís, o Santa Teresa, sediará o evento – o qual ocorrerá nos dias 05 e 06 de Abril. Infelizmente, o evento conta com o apoio da arquidiocese de São Luís.

Bem, não bastasse o fato de o frade dominicano ser – notadamente – comunista, petista e abortista [aliás, encontrei um artigo dele na Tribuna Comunista, comentando sua visita a Havana e um encontro com os irmãos Castro – Raul e Fidel], é ofensivo [e também temerário] que um homem que fala das núpcias de Santa Teresa de Ávila com Che Guevera tenha a ousadia de se dirigir a católicos, em um colégio de tradição católica.

Jorge já sinalizou a ocorrência deste evento e conclamou os católicos maranhenses, em especial os de São Luís, a que se manifestem contra a participação do frade dominicano neste evento. Quem desejar escrever ao colégio protestando contra esta participação de Frei Betto deve encaminhar um e-mail para cst@colegiosantateresa.com.br

III – Violência Sexual contra jovens e crianças

O observador permanente da Santa Sé no Escritório das Nações Unidas, Arcebispo Silvano Maria Tomasi, afirmou [grifos nossos]:

“Aqueles que foram considerados culpados destes crimes [pedofilia e afins] são imediatamente suspensos do exercício de seu cargo e são tratados de acordo com as normas dos direitos civil e canônico. A prevenção é o melhor remédio, e isso começa com educação e promoção de uma cultura de respeito dos direitos humanos e da dignidade humana de cada criança e, especialmente, através da implementação de eficiente métodos de recrutamento de pessoal para as escolas”.

IV – JMJ 2014 – no RJ [?]

Soube através de uma lista de e-mails que D. Orani Tempesta continua empenhado na tentativa de trazer a Jornada Mundial da Juventude 2014 para o Rio de Janeiro. Desta feita, D. Orani convocou os jovens do Rio para um evento que marcará a celebração do Dia Mundial da Juventude na Arquidiocese. O evento acontecerá em 27 de março e terá sua concentração na Catedral de São Sebastião, no Centro. Haverá participação da Comunidade Católica Shalom, Banda Bom Pastor e outros. Há, no site da arquidiocese, uma matéria a respeito do desejo dos jovens cariocas de receberem a JMJ em 2014. Lembrando que o Rio está concorrendo, entre outras cidades, com Belo Horizonte.



I – D. Claúdio Hummes e o celibato

 

Sua Eminência, o cardeal brasileiro Claúdio Hummes, disse – durante um congresso teológico cujo tema era o mesmo do ano sacerdotal [“Fidelidade de Cristo, fidelidade do sacerdote”] – que “o celibato sacerdotal é um dom do Espírito Santo que pede ser compreendido e vivido com plenitude de sentido e alegria, na relação totalizante com o Senhor”. Segundo matéria veiculada na ACI o “Cardeal indicou que ‘esta relação única e privilegiada com Deus faz do sacerdote a testemunha autêntico de uma singular paternidade espiritual e o faz autenticamente fecundo’”.  Um bom pronunciamento, D. Cláudio!

 

II – Espanha, Escola e preservativos

 

Uma contundente intervenção foi feita pelo presidente do grupo espanhol Profissionais pela Ética, Ramón Novella, no sentido de denunciar uma campanha do governo da Catalunha, que pretende distribuir preservativos nas escolas a alunos de quaisquer idades. Novella disse, entre outras coisas:

– Que a campanha era “um novo meio para doutrinar os jovens e, no caso dos menores, quer suplantar o papel educativo fundamental da família, na mesma linha de outras iniciativas, como são a implantação da Educação para a Cidadania ou as medidas educativas previstas na nova Lei do aborto”

– Que todas as campanhas, programas e planos de “educação” sexual do Governo catalão só serviram para “promover a promiscuidade e a irresponsabilidade entre os adolescentes e jovens”, provocando um aumento das gravidezes, abortos e enfermidades de transmissão sexual, tal como reconhece o próprio Governo Local.

Um ótimo pronunciamento, Ramón!

 

 III – Mons. Scicluna e o tratamento dos casos de pederastia e pedofilia

 

A ACI já havia publicado, e também estava no twitter do papa, estes comentários, bastante interessantes, feitos por Mons.Charles J. Scicluna, promotor de justiça da Congregação para a Doutrina da Fé, fiscal do Tribunal da Santa Sé, a respeito da terrível questão dos sacerdotes acusados de pederastia, escândalos que saltam periodicamente às páginas dos meios de comunicação. Destaco:

 

Sobre as acusações dirigidas ao Sumo Pontífice imputando-lhe a responsabilidade por uma suposta política de acobertamento dos casos de pederastia:

 

Mons. Scicluna: É uma acusação falsa e uma calúnia. A propósito, permito-me assinalar alguns dados. Entre 1975 e 1985, não aparece que se tenha submetido à atenção de nossa congregação algum aviso de casos de pederastia por parte de clérigos. De todas as formas, após a publicação do Código de Direito Canônico de 1983 houve um período de incerteza acerca do elenco de delicta graviora reservados à competência deste dicastério. Só com o motu proprio de 2001, o delito de pederastia voltou a ser de nossa exclusiva competência. Desde aquele momento, o cardeal Ratzinger demonstrou sabedoria e firmeza na hora de tratar esses casos. Mais ainda. Deu prova de grande valor, enfrentando alguns casos muito difíceis e espinhosos, sine acceptione personarum. Portanto, acusar o pontífice de ocultação é, repito, falso e calunioso.

 

Sobre a condução de um processo civil contra sacerdotes que cometeram crime de pedofilia:

 

Mons. Scicluna: Em alguns países de cultura jurídica anglo-saxã, mas também na França, os bispos que sabem, fora do segredo sacramental da confissão, que seus sacerdotes cometeram delitos estão obrigados a denunciá-los às autoridades judiciais. Trata-se de um dever pesado, porque estes bispos estão obrigados a realizar um gesto como o de um pai que denuncia seu filho. Apesar de tudo, nossa indicação nestes casos é respeitar a lei.

Recentemente, o programa Conexão Repórter, do SBT, trouxe o caso de um Monsenhor de Arapiraca [AL] que mantinha relações sexuais com os acólitos de sua paróquia. A matéria, produzida pela jornalista Roberto Cabrini, foi tema de tópico na Comunidade Católicos [no Orkut] e pode ser assistida no Youtube [atenção: há algumas cenas bastante fortes].

Ainda ontem eu discutia esse assunto com alguns amigos. E nos perguntávamos o que leva um sacerdote de longa experiência pastoral e boa formação religiosa a cometer um pecado tão horrendo como a pedofilia? O que leva um homem que se entregou plenamente a Deus, em um ato de extrema generosidade, a dar causa a tamanho escândalo perante a Igreja e a sociedade? Misterium iniquitatis. Dificilmente conseguiríamos dar uma resposta exata a esta pergunta. Contudo, é preciso recordar que a fragilidade humana associada aos constantes ataques do demônio [que, diz São Pedro, ruge como um leão em torno a nós] estão, sem dúvida, ligadas a este tipo de ocorrência [embora não o justifiquem].

Bem, acho que essa reflexão é oportuna e necessária. Mas cabe, igualmente, fazer algumas considerações sobre as entrelinhas da divulgação desses episódios na mídia. Será que os profissionais de comunicação estão, de fato, interessados em contribuir para que se faça justiça a estes episódios tão tristes e inaceitáveis? Será que há uma preocupação em expor os reais números da pedofilia? Por que restringir a divulgação dos casos de pedofilia aqueles cometidos por sacerdotes católicos? Pastores protestantes e monges budistas também não o cometem? E quanto a homens casados que molestam suas filhas e enteadas? Isso não existe? Por que tanto interesse em fuçar com uma lupa a vida do Santo Padre, enquanto arcebispo de Munique, para tentar descobrir algum caso de pedofilia que ele supostamente tenha “acobertado”?

Bem, façam suas considerações. Mais tarde eu posto o resto das minhas. 😉

« Página anteriorPróxima Página »