I – Discussões entre Roma e a FSSPX

 

Para quem está acompanhando o andamento das conversações entre Roma e a Fraternidade Sacerdotal São Pio X, vale a pena ler uma recente entrevista – publicada no Fratres in Unum – concedida por Dom Bernard Fellay, superior geral da FSSPX.

 

II – Um alerta: a difamação de Georg Ratzinger

 

A BBC Brasil publicou esta matéria sobre a investigação de abusos cometidos contra menores por parte de sacerdotes na Holanda. Algo semelhante já havia saído no Jornal da Globo. Mas, atenção! O Oblatvs já havia denunciado a campanha difamatória que se está instaurando contra o irmão do Papa, Pe. Georg Ratzinger. É preciso estar atento e ler as entrelinhas das notícias porque alguns inimigos da Igreja – que nunca gostaram da eleição do papa “inquisidor”- usam este tipo de artimanha para atingir o Servo dos servos de Deus. É, portanto, bastante salutar ler em Zenit a abordagem que o Padre Federico Lombardi, S.J., “porta-voz” da Santa Sé, apresentou sobre os casos de abuso sexual envolvendo membros do clero.

 

III – Movimento Graal

 

Você conhece o Movimento Graal? Não? Eu também não conhecia. Descobri-o por acaso por causa de uma entrevista     postada na Agência Ecclesia. A descrição do movimento que encontrei neste site me cheirou a enxofre, digo, à Teologia da Libertação… Vejam:

O Movimento do Graal é uma organização Internacional de Mulheres que trabalha na busca comprometida com a transformação do mundo em uma comunidade de justiça e Paz. Fundado na Holanda em 1921, é um movimento ecumênico, cultural e social, presente hoje em 17 países, com status consultivo no Conselho Econômico e Social da ONU desde 1998. Está presente no Brasil desde a década de 40. Tendo como base de ação a educação popular, atua por meio de programas e projetos sociais em comunidades urbanas e rurais, na transformação das relações sociais entre homens e mulheres.

 

IV – Oração do Cardeal Ruini

 

Na XV Jornada Mundial da Juventude, ocorrida no Ano Santo de 2000, o Cardeal Camillo Ruini foi convidado a fazer a reflexão da Via Sacra, no coliseu de Roma. Naquela ocasião ele escreveu esta bela oração, da qual destaco:

Senhor, abri a nossa inteligência, orientai e revigorai a nossa vontade e liberdade, para podermos compreender que a vossa cruz é a suprema dádiva do amor de Deus Pai, a perfeita expressão da vossa obediência e liberdade, o lugar mais misterioso de todos, o mais terrível mas também o mais consolador, no qual a bondade e a misericórdia de Deus se encontram com a malícia do nosso coração, com a interminável história do pecado, do sofrimento e da morte.

Contra todas as dúvidas, perplexidades e hesitações que atormentam a nossa alma e fazem incerto o nosso caminho, tornai-nos capazes, Senhor Jesus, de ver e de admirar a fecundidade inexaurível da vossa cruz, as flores e os frutos de santidade, de amor, de liberdade, de justiça e de paz que nasceram e amadureceram ao longo destes dois mil anos de cristianismo.

Sim, Senhor Jesus, Vós respeitais até ao fim a nossa liberdade frágil, e assim o pecado continua a abundar, mas a vossa graça é superabundante, é mais vigorosa e mais fecunda de bem. Foi assim que aconteceu, Senhor Jesus, com todos os Mártires que derramaram o próprio sangue à vossa semelhança, com todos os Santos e Santas que souberam amar com o vosso mesmo amor.

Amém!

Anúncios