novembro 2009


Beatificação de João Paulo II – Nas palavras do Cardeal Stanislaw Dziwisz – que foi secretário do papa Wojtyla durante 40 anos – o ponta-pé inicial para o processo de beatificação do venerável predecessor de Bento XVI “depende do Papa”. Já há um milagre a atribuído a João Paulo II. Contudo, antes de passar a analise da veracidade do milagre, a Igreja deve pronunciar-se sobre a “heroicidade das virtudes” dele. Ainda há muitos passos a serem dados, e o processo segue segundo a na velocidade de Roma… [que, nesse sentido, se assemelha à leniência da justiça brasileira]. Contudo, é preciso que seja assim. É mais prudente, é mais sensato, é mais sábio. Enquanto isso, rezemos!

           

Casados por três horas – O caso é inusitado: A juíza Maria Luíza Póvoa Cruz, da 3ª Vara de Família de Goiânia (GO), anulou ontem (17) o casamento realizado por E.T.F e M.A.D. Eles ficaram casados por apenas três horas, quando descobriram ‘incompatibilidade durante a ocasião do enlace’”.  A notícia é curta. Recomendo que leiam na íntegra. Dos males o menor: se não houve consumação, então não houve casamento. E se não houve casamento, não houve divórcio. Pergunto, sinceramente, aos moralistas de plantão: o “enlace” [acho que a melhor definição para isso seria a de uma “tentativa” de relação sexual], nesse caso, constitui então um pecado de fornicação?

Atente-se para o fato de que, no fim da matéria, é dito que o “órgão máximo” da religião [católica] concedeu a anulação do matrimônio. Na verdade, deve ter sido concedida [pelo Tribunal Eclesiástico Diocesano, e não pelo “órgão máximo” da Igreja – que seria a Santa Sé] uma declaração de nulidade matrimonial. Lembrem-se: Anular não é o mesmo que decretar a nulidade!

 

 

O texto abaixo chegou a mim através de um amigo que, por sua vez, o obteve de um padre legionário de Cristo. Chamou-me muito a atenção o que diz esta psiquiatra acerca dos jovens norte-americanos (que não devem ser muito diferentes dos nossos jovens…). Não traduzi, como sempre, por falta de tempo. Mas creio que, aos que lêem português, o espanhol seja um idioma inteligível. 😉

 

 

Jóvenes sin criterio, jóvenes sin salud

 

Comité Independiente SinSida

Lunes, 16 de noviembre de 2009

La psiquiatra estadounidense Miriam Grossman acaba de publicar “You’re Teaching My Child What?”, un libro en el que describe el panorama actual de la educación sexual que se imparte en las escuelas de Estados Unidos.

Resumimos una entrevista a la autora para “eReview” (9-09-2009), publicación del Institute of Marriage and Family Canada.
”No podía hacer mucho por ellos. Eran jóvenes que estaban muy bien informados y que se preocupaban activamente por su salud. Cuidaban la alimentación, hacían ejercicio, evitaban fumar y tantas cosas. Pero en el terreno de la sexualidad asumían todo tipo de riesgos. Así que empecé a preguntarles sobre la educación sexual que recibían en clase”.

Tras ejercer durante 12 años como psiquiatra en la UCLA (University of California, Los Ángeles), Grossman comprobó el desconcierto con que se mueven la mayoría de los jóvenes en el ámbito de la sexualidad. Ella misma se sintió frustrada al ver cómo, paciente tras paciente, se repetían los mismos errores que terminaban en enfermedades de transmisión sexual, trastornos emocionales e incluso infertilidad.

A partir de estos testimonios, Grossman llegó a la conclusión de que los jóvenes estaban prácticamente desprotegidos. Éste fue el título de su primer libro: “Unprotected: A Campus Psychiatric Reveals How Political Correctness in Her Profession Harms Every Student”. En el que ahora acaba de publicar analiza el material pedagógico que utilizan los alumnos: páginas webs, libros, folletos, guías, videos…

Lo primero que sorprendió a Grossman es la falta de conocimiento sobre los fundamentos del desarrollo evolutivo de niños y jóvenes, así como de los últimos descubrimientos de la neurobiología.

“Los profesores de educación sexual insisten en que los adolescentes tienen, al igual que los adultos, la madurez suficiente para tomar decisiones responsables. El problema, añaden, está en que les falta la información suficiente y no utilizan preservativos”.


“De manera que la propuesta de estos ‘expertos’ para reducir las enfermedades de transmisión sexual y el número de embarazos adolescentes es: más información y más condones. Pero las investigaciones recientes de la neuropsicología no respaldan esta postura. Ahora sabemos que las malas decisiones de los adolescentes proceden no de la falta de información sino de la falta de criterio. Y sólo hay una cosa que cura esto: el tiempo”.

Otro dato básico que omiten la mayoría de los manuales sobre educación sexual es la mayor vulnerabilidad biológica de las chicas a las enfermedades de transmisión sexual. Tampoco se dice a los chicos que el sexo oral suele ir asociado al cáncer de garganta. “No hace falta repetir que se trata de una información de vida o muerte; ocultar estas cosas es el colmo de la irresponsabilidad”.

En lugar de informar sobre los riesgos, algunas organizaciones estadounidenses como Planned Parenthood o SIECUS (Sexuality Information and Education Council of the US) “se limitan a repetir que la adolescencia es el tiempo idóneo para explorar nuevas prácticas sexuales, o que los niños tienen derecho a expresar su sexualidad en cualquiera de las formas que se les ocurra”.

Para Grossman, “este mensaje promueve el libertinaje sexual, no la salud sexual. Es pura ideología, no ciencia. Y cuando el libertinaje sexual pasa a primer plano, la salud sexual se resiente. Ahí están, para demostrarlo, las alarmantes cifras de Estados Unidos sobre enfermedades de transmisión sexual, infecciones por VIH, embarazos adolescentes y abortos”.

El enfoque ideológico de la educación sexual se observa también en el papel que los educadores atribuyen a los padres. Grossman dice que en este punto hay mucha doblez: “Cuando los educadores hablan ante los medios o en los materiales destinados a los padres, siempre destacan que la educación sexual empieza en casa y que los papás son los principales educadores en este terreno. Sin embargo, los materiales didácticos que utilizan los niños trasmiten un mensaje muy diferente”.

“El 90 por ciento de los padres quiere que sus hijos retrasen las relaciones sexuales, y confían en que quienes imparten la educación sexual les van a ayudar a reforzar ese mensaje. Hay organizaciones como SIECUS que se comprometen a difundirlo, pero luego no lo hacen”.

Aunque la situación que describe Grossman es bastante cruda, su libro también transmite esperanza. “La buena noticia es que todos estos problemas de salud sexual pueden ser evitados en el 100 por ciento de los casos. Los padres pueden hacer mucho por sus hijos.

Cada vez más, sabemos que los hijos se sienten muy influidos por los valores y las expectativas de sus papás. En el libro recojo numerosos estudios que demuestran el efecto positivo que tiene en los hijos un estilo educativo que sabe combinar la comprensión con la autoridad”.

              I

 

              O site espanhol HazteOir lançou uma campanha chamada Derecho a Vivir (Direito a Viver) com o objetivo de estimular os deputados e senadores espanhóis a votarem segundo a sua consciência [isto é: prescindindo do posicionamento do partido a que pertencem] no que tange a nova lei do aborto que se está tentando instituir na Terra de Cervantes. Diz a matéria do site:

             “Una vez iniciado el trámite parlamentario de la ley del aborto, y considerando que el propio Presidente del Congreso de los Diputados, D. José Bono, ha manifestado que ésta es una cuestión que “afecta más a la conciencia, afecta más al modo de concebir la vida que a la ideología” , entendemos que debe decidirse en conciencia y no por disciplina de partido, por lo que es necesario pedir ese voto en conciencia a todos los diputados y senadores”.

              Sendo o governo da Espanha socialista, acho que se multiplicarão lá casos como o do deputado petista Luiz Bassuma…

 

              II

 

             D. Fernando Arêas Rifan teve um artigo seu publicado hoje [18] no jornal Folha da Manhã [clique aqui para ler o texto]. O Bispo Titular de Cedamusa e responsável Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney tratou do sentido da vida. O artigo é curto e foi encerrado, a meu ver, com chave de ouro.  Disse D. Rifan:

             “A verdadeira religião, nos dando o verdadeiro significado da vida, dom de Deus para o nosso bem e nossa felicidade eterna, preenche o nosso vazio existencial, tornando- se assim a melhor terapia para qualquer neurose”.

              Falou e disse, D. Rifan!

 

             III

 

              O Blog do Veritatis publicou: “Diretório Litúrgico francês exclui santos padroeiros e inclui novas festas judaicas, muçulmanas e protestantes”. É, de fato, um escândalo! A França está cada dia mais se esquecendo de suas raízes católicas. Isso confirma uma teoria que carrego comigo há muito tempo (seguramente eu não fui o primeiro a pensar nela): se, no afã de proporcionar uma “abertura ecumênica”, quisermos conquistar e agradar a todos, invariavelmente nos esqueceremos da nossa identidade. Que a Virgem de Lourdes, interceda por aquele País!

“Vemos avançarem diariamente apoiadas pelas legislações maléficas e arbitrárias, que destroem a reta consciência e a fundamental dignidade do homem, causas tão repugnantes como o aborto, a eutanásia, o divórcio, o matrimônio entre homossexuais, a libertinagem sexual, o racismo, a intolerância contra os velhos, etc., etc. Não assistimos somente a um processo de degradação, de autodestruição da civilização ocidental. Gradualmente se impõe o que o Papa chama de cultura da morte.

[…]

Eu não sei se todos vocês percebem o dano tão grande que tem se feito às famílias com essa campanha mundial, que pretende cortar drasticamente o crescimento populacional, com todos os meios possíveis, sem excluir os mais indignos e arbitrários, como o aborto e a esterilização. À base de mentira e desinformação, certos grupos movidos por interesses perversos – tão mesquinhos como não querer compartilhar os recursos naturais com as populações em desenvolvimento – têm propagado um alarme falso, apresentando um futuro apocalíptico na hipótese, para eles abominável, de que a humanidade continue crescendo em seu ritmo natural. De nada têm servido os estudos muito sérios que desmentem ou pelo menos abrandam bastante os temores e prevenções contra a assim chamada explosão demográfica. Qual a “brilhante solução” que propõem e impõem abusivamente? Diminuir os nascimentos. Daí surge o rentabilíssimo comércio de artifícios mecânicos ou bioquímicos e outras técnicas contraceptivas ou abortivas. É preciso dizer que, paralelamente, esta indústria promove também a “liberalização do sexo”, com as manifestações aberrantes que conhecemos.

O amor cristão […] é difusivo, procura se expandir, quer gerar vida. Por isso, essa mentalidade que se fecha à vida não pode caber num matrimônio cristão. Não cabe o recurso a meios moralmente ilícitos para evitar novos nascimentos. Por isso, apesar de ser tão óbvio, é necessário afirmar com a máxima energia que não cabe absolutamente o recurso a um meio tão repugnante como o aborto. Gostaria de ir além, e dizer que num matrimônio cristão não cabe a limitação do número da família por motivos meramente egoístas e arbitrários.

Obviamente que o que disse não implica de maneira nenhuma que não exista o gravíssimo dever de exercer a paternidade de modo eminentemente responsável. Isso é claro. Eu me refiro a essa mentalidade gratuitamente aceita de que a prole de uma família não deve exceder a um ou dois filhos, inclusive quando as possibilidades da família poderiam permitir, por exemplo, três ou quatro, ou mais. Por que negar os bens da vida, e sobretudo os bens da vida eterna, a outros que vocês poderiam chamar à existência?Certamente não se pode apelar a um suposto “direito” do filho ainda não gerado, pois somente quem já existe possui direitos. Mas a lógica do amor ultrapassa a lógica estreita do legalismo, que fundamenta tudo em direitos e deveres. O homem, com todo o universo a seu serviço, não teria nenhuma direito a existir; porém o amor de Deus foi tamanho, que quis chamá-lo à existência, para ter com quem partilhar a sua vida e a sua felicidade. Essa é a lógica do amor. E, portanto, é também a lógica do amor conjugal.

Os grupos propagadores da mentalidade contrária à vida (da cultura da morte, como diria o Papa), conseqüentes com seu programa, há vários anos abriram uma nova frente de batalha. Primeiro consistia em acabar com a vida em sua concepção. Agora procuram acabar com a vida em sua etapa final. Apresentam pretextos, como evitar o sofrimento do enfermo que se encontra em fase terminal, libertá-lo de uma vida que chegou a ser desumana, ajudá-lo a morrer com dignidade, etc., etc. Seu objetivo é alcançar um amparo legal para praticar impunemente uma forma de homicídio que eufemisticamente denominam “eutanásia”, “morte doce”. Com programas de mentalização muito bem orquestrados, vão conseguindo, pouco a pouco, a aquiescência e a aprovação das pessoas. Se os homens retos, começando pelos cristãos, com um mínimo de senso de humanidade não se moverem para colocar um freio drástico a essa campanha, podemos esperar que, em data não muito distante, as diversas legislações dêem luz verde a esta prática monstruosa. Naturalmente, à frente do desfile veremos os países “desenvolvidos”, que serão seguidos pelos outros”.

 

Fonte: “A Caridade Evangélica”. Pe. Marcial Maciel, LC, Roma – 22/10/1993.

               [Muito oportuno e bem escrito].

                Fonte: http://www.padrehenrique.com/index.php/artigos/278-sofismas

             “Sofisma”, segundo o Aurélio, é um “argumento aparentemente válido, mas, na realidade, não conclusivo, e que supõe má-fé por parte de quem o apresenta”; “argumento falso formulado de propósito para induzir outrem a erro”; “engano, logro, burla, tapeação”. Permita-me, paciente leitor(a), apresentar-lhe três sofismas bem fresquinhos.

         *Sofisma 1*

           Na polêmica em torno das experiências com células-tronco a custo do assassinato de embriões humanos, muito se disse contra a Igreja. O mesmo dir-se-á quando o Governo Lula tentar aprovar o aborto no Brasil (a questão das células-tronco foi apenas um ensaio). Mete-se a ripa na Igreja também quando esta se coloca de modo crítico quanto ao reconhecimento civil da união entre homossexuais como sendo um “casamento”. Acusou-se essa bruxa velha de medieval, obscurantista e de querer impor seus pontos de vista reacionários aos não-católicos e não-crentes. Pura lorota. A Igreja não está querendo impor nada a ninguém nem é contra ninguém. A questão é de outra ordem.

           Todas essas questões polêmicas são de ordem moral e dizem respeito ao modo como uma sociedade humana se compreende, se articula e delineia o seu futuro. Aqui estão envolvidas questões seríssimas: Que é a vida humana? Quando se inicia? Qual a sua dignidade? Quanto vale? Quem, quando e como deve protegê-la? Qual o sentido do sofrimento e da dor? Que é a família? Qual a sua função? Sobre quais valores se assenta? Qual a relação entre a família e o conjunto da sociedade? Qual o papel da família na geração e educação dos seres humanos, membros de uma sociedade e portadores de uma dignidade e de direitos inalienáveis?

           Note-se não se trata simplesmente de moral cristã, mas de uma ética que envolve qualquer ser humano decente e qualquer sociedade humana que deseje manter o mínimo de dignidade e responsabilidade quanto ao seu futuro. Ninguém pode ficar isento de tentar dar respostas a essas questões. E são questões que marcarão o destino e a qualidade de toda a nossa sociedade.

           Ora, a Igreja é portadora de uma mensagem, aquela de Jesus Cristo. Essa mensagem contém fortíssimas implicações morais às quais ela não pode renunciar sem ser infiel ao seu Senhor. É verdade que os cristãos não podem e não devem impor sua moral ao conjunto da sociedade, mas podem e devem manifestar-se e procurar fazer-se ouvir na busca da construção de uma ética civil, ou seja, um mínimo ético comum à grande maioria da sociedade.

           Em que se basearia tal ética? Na busca de auscultar a consciência, no respeito pelo mais fraco, na afirmação do valor inalienável da vida humana, na renúncia ao utilitarismo como critério último de ação e avaliação, na busca honesta da superação de um subjetivismo descomprometido com o bem comum e com o interesse da coletividade. São alguns critérios.

           Os nossos deputados, brincando de deus, aprovaram os experimentos que matarão embriões humanos. A Igreja continuará afirmando que não concorda. Não impõe seu parecer, mas dialoga e explica seus motivos. É seu direito e seu dever. Quem não gostar dela, paciência. Mas ninguém tem o direito de calá-la. É questão de ser fiel ao Cristo, não de ser popular ou agradar à maioria…

             *Sofisma 2*

           O Fantástico, da Rede Globo, mostrou, no Domingo passado, uma pesquisa ampla para convencer que a Igreja não tem o apoio da Igreja. Explico-me: a Igreja oficial estaria sozinha na defesa de seus retrógrados princípios morais. A grande maioria dos católicos é a favor do aborto, dos preservativos, das relações pré-matrimoniais, da pesquisa com células-tronco
embrionárias, do “casamento gay”. É a hierarquia que é quadrada e obscurantista. Eis o que a Globo quis passar.

           Convém recordar que a verdade não é questão de maioria. Para os cristãos, a Verdade é Cristo e vive-se na Verdade quando se vive o seu Evangelho. Ora, não é o Cristo que deve se converter ao mundo, mas o mundo que se deve abrir ao Evangelho. Quando Jesus disse ser o Pão da vida, a grande maioria dos discípulos o abandonou. Mas, o Senhor não fez pesquisa de opinião para mudar sua doutrina. Muito pelo contrário: “Vós também quereis ir embora?”

           Além do mais, católico não é quem diz que é católico. Católico é aquele que, com humildade e esforço, procura deixar seu pensamento mundano para abraçar o pensamento de  Cristo. O católico é aquele que vai à Missa aos domingos, que se esforça para viver o Evangelho, que se engaja na vida da comunidade dos irmãos em Cristo e que crê que a Igreja é conduzida pelo Espírito do Cristo ressuscitado. Esses católicos não são da turma que o Fantástico entrevistou, católicos de certidão de batismo, de missa de sétimo dia e de formatura. Porque a Igreja não é dona, mas serva da Verdade, porque não possui a Verdade, mas é por ela possuída, não voltará atrás por temor de pesquisas de opinião. Ela, nossa Mãe católica, somente deve ter medo de uma coisa: de ser infiel ao seu Senhor! Se a Globo – como a Veja, a IstoÉ, a Época e cia – pretendeu pressionar ou intimidar a Igreja, perdeu tempo, verbo e dinheiro…

              *Sofisma 3*

               Após a aprovação da pesquisa que matará embriões humanos, uma “cientista” afirmou, triunfante, no Jornal Nacional: “Saímos da Idade Média para a era tecnológica!” Com tristeza, podemos constatar o seguinte: essa senhora não sabe um dedo de história! A Idade Média não é o que ela insinuou. Não é Idade das trevas, não é Idade contrária à razão, não é Idade contrária ao progresso. Somente os estúpidos, com vocação para papagaio – eterno repetidores do que não sabem – podem afirmar isso. Ainda com tristeza constatamos a ilusão de pensar que entramos, de salto, na era tecnológica porque vamos pesquisar assassinando vidas humanas. Os meios de comunicação têm criado um mito em torno das promessas das células-tronco embrionárias.
              Vamos ver o que a dura realidade mostrará… Pena que à custa de vidas inocentes… Mas, o mais triste mesmo, é essa “cientista” considerar um progresso louvável sacrificar vidas humanas. Pobre civilização, a nossa, construída sobre tais valores.

              Muitos católicos infelizmente não conhecem a Doutrina da Igreja acerca do Purgatório.  De modo que, se chamados a dar “a razão de sua fé” nesse ponto, ou não saberiam ou teriam grande dificuldade de fazê-lo. Enquanto pensava nisso – e pouco depois de termos celebrado o Dia de Finados (também chamado dia dos fiéis defuntos) – encontrei no blog São Pio V, um pequeno texto, de autoria de São Tomás de Aquino, abordando a questão das “penas do purgatório”. Faço votos de que o texto estimule a todos a aprofundar o conhecimento a respeito do assunto.

AS PENAS DO PURGATÓRIO

Santo Tomás de Aquino

(Compêndio de Teologia, Tratado I, cap.CLXXXI e CLXXXII)

              Bem que algumas almas imediatamente após a separação do corpo consigam a beatitude eterna, como foi dito, alguma há que só a consiga após certo tempo. Acontece que alguns não completaram nesta vida a penitência exigida pelos pecados cometidos, dos quais, contudo, se arrependeram. Como a justiça divina exige que as culpas sejam punidas, deve-se afirmar que, após esta vida, as almas devem cumprir a pena que neste mundo não cumpriram. Não, porém chegando ao estado de extrema miséria dos condenados, pois pela penitência reintegraram-se no estado de caridade, no qual aderiram a Deus como seu fim último, e pelo qual mereceram a vida eterna. Resta, pois, afirmar que, após esta vida, há algumas penas purgatórias, pelas quais são completadas as penitências que aqui não o foram.

               Acontece também que alguns deixam esta vida sem pecado mortal, mas com pecado venial, o qual não os afastou do fim último, bem que tenham pecado, devido à adesão indevida a coisas que levam ao fim último. Esses pecados são purgados, nos homens perfeitos, pelo fervor da caridade. Mas os que não são perfeitos devem purgá-los por alguma pena, porque não conseguem a vida eterna senão quem esteja imune de todo pecado e de todo defeito. É, portanto, necessário que existam penas purgatórias após esta vida. São elas purgatórias, devido à condição daqueles que as sofrem, pois, havendo neles caridade, pela qual têm a própria vontade conformada com a vontade divina, em virtude dessa mesma caridade, as penas que sofrem lhes são purgatórias. Por esse motivo, naqueles (como nos condenados) nos quais não há caridade, as penas não purgam, permanecendo neles para sempre a imperfeição proveniente do pecado, nos quais também a pena dura para sempre.

 

               P.S.: O blog São Pio V traz links para o download de livros altamente recomendáveis. Recomendo particularmente o “Dominus Est! É o Senhor!”, de autoria de D. Athanasius Schneider, ORC, e o Compêndio de Teologia Moral (dividido em parte I e II)

              I – Itália e Crucifixos

 

                Uma notícia extraordinária publicada no Fratres in Unum!

 

Itália: “Esta é a resposta ao Juiz turco de Estrasburgo!”

 

             (Kreuz.net) “Oh, bella Italia! A Itália mostra aos imbecis europeus com quantos paus se faz uma canoa” – esclareceu o BLOG ‘Fakten Fiktionen’ na quinta-feira:

              “Esta é a resposta ao Juiz turco de Estrasburgo!”.

               O Blog narra os fatos: “O prefeito de San Remo, Maurizio Zoccarato, está colocando uma cruz de dois metros no prédio da prefeitura!” A cidade de San Remo encontra-se no extremo noroeste da Itália. Ao mesmo tempo Zoccarato exigiu que todos os diretores de escolas afixem cruzes nas salas de aula.

              Segundo o blog ‘Fakten Fiktionen’, em toda a Itália inicia-se uma competição para mostrar isso aos juízes de Estrasburgo”. Na cidade de Busto Arsizio, perto de Milão, a administração municipal hasteou as bandeiras da União Européia em frente aos prédios oficiais a meio mastro.

              Um enorme crucifixo está resplandecendo há pouco tempo diante da façada do Teatro Bellini de Catania, na Cicília. Inúmeras comunidades italianas encomendaram novas cruzes para as suas escolas. A cidade Sassuolo na província de Modena no norte da Itália encomendou cinqüenta novos crucifixos. Eles deverão ser pendurados em todas as salas de aula em que ainda não houver algum.

             O Ministro da Defesa Ignazio La Russa abordou o tema da defesa nacional espiritual em uma discussão de TV: “Todas as cruzes devem permanecer penduradas, e os opositores da cruz que morram, juntamente com essas instituições aparentemente internacionais!”

               A comunidade Montegrotto Terme com 10.000 habitantes – onze quilômetros a sudoeste de Pádua – anuncia em placas de néon: “Noi non lo togliamo” – Não vamos ceder.

                O prefeito da cidade de Treviso no noroeste da Itália resumiu a situação muito bem: “Encontramo-nos no reino da demência, essa é uma decisão, que clama por vingança. O tribunal deve processar a si mesmo pelo crime que cometeu!”

               O prefeito de Assis sugeriu que além dos crucifixos fossem colocados também presépios nas salas de aula. O prefeito da cidade de Trieste esclareceu que tudo permaneceria do jeito que está. A Câmara de Comércio romana pediu que as lojas pendurassem crucifixos.

               Na comunidade Abano Terme – onde mora a ateísta militante finlandesa que reclamou do crucifixo – haverá protestos amanhã em frente das escolas a favor da Cruz de Cristo.

               O prefeito de Galzignano Terme na província de Pádua, Riccardo Roman, ordenou colocação imediata de cruzes em todos os edifícios públicos – não somente escolas, mas também na Prefeitura e museus.

               Dentro de duas semanas a polícia irá conferir se a ordem foi obedecida, caso contrário haverá uma multa de 500 Euros.

              O autor de ‘Fakten Fiktionen’ está maravilhado: “Bravo! Vou descansar alguns dias lá no ano que vem! Deve valer à pena!” O Prefeito Maurizio Bizzarri da comunidade de Scarlino na Toscana do sul impôs uma multa de 500 Euros para aqueles que retirarem uma cruz dos prédios públicos. Na cidade Trapani no extremo oeste da Cecília o Presidente e o assessor do governo da província encomendaram 72 cruzes com recursos próprios. Na cidade de Neapel apareceu uma pixação que dizia: “Se arrancar a cruz, eu arranco a tua mão fora!”

            ‘Fakten Fiktionen’ se dá por vencido: “Lamento, preciso parar, mas parece que não existe nenhuma cidade sem resistência.”

 

               II – Anglicanorum Coetibus

 

             A Constituição Apostólica que trata das normas disciplinares para o retorno dos anglicanos ao seio da Santa Mãe Igreja saiu faz alguns dias. Eu, porém, só a vi hoje. Por enquanto o documento está disponível em apenas dois idiomas: inglês e italiano. Se o meu dia tivesse 25 horas iria gastar esta hora adicional traduzindo o texto do italiano para o português [já que, de inglês, no máximo consigo dizer: “the book is on the table”]. Como não tenho um dia tão longo, resumo-me a fazer alguns ligeiros comentários:

 

  • O documento é breve – conta com apenas 13 parágrafos. Isso é bom porque estimula a leitura.
  • É contundente – ao mencionar, por exemplo, que “a única Igreja de Cristo é aquela que professamos no símbolo apostólico como sendo Una, Santa, Católica e Apostólica”. Lá está dito ainda que “O Catecismo da Igreja Católica é a expressão autêntica da fé católica professada pelos membros do Ordinariato”.
  • É bastante “operacional” – a constituição é uma espécie de definição prática de como as coisas funcionarão ora em diante.

              Após uma breve introdução – na qual se fala do papel do sucessor de Pedro, das feridas que a desunião causa ao Corpo Místico de Cristo [a Igreja], e do Espírito Santo como “princípio de unidade” – o documento traz aquilo que parece ser o cerne da declaração da Santa Sé: a apresentação da estrutura e regulamentação canônica do Ordinariato Pessoal [forma em que os anglicanos serão incorporados à Igreja].

               Foi publicado ainda, pela Congregação Para a Doutrina da Fé, um conjunto de normas complementares a Constituição Apostólica Anglicanorum Coetibus. Vale a pena dar uma lida.

 

 

 

A Universidade Bandeirante (Uniban) está sendo execrada publicamente por ter banido do seu corpo discente a estudante Geisy Villa Nova Arruda. A Universidade alega que a aluna portou-se de maneira inadequada, provocando os demais alunos, ao usar vestimenta curta demais.

Eu não entendo o motivo de tanto alarde em torna de uma atitude tomada por uma instituição autônoma, em plena consonância com o regimento interno, e com o objetivo – tão nobre – de estabelecer padrões de moralidade. Ora, ninguém é obrigado a tolerar – com silêncio e apatia – a depravação e a imoralidade.

O discurso em “defesa” da indefensável atitude de Geisy baseia-se na questão da diversidade, do respeito, etc. Ora, porque a senhora Geisy – que tem uma noção de moralidade bem exótica (se é que tem) – não respeitou os demais estudantes que se incomodavam com o seu modo de vestir? Por que ela não se preocupou com em tolerar a opinião dos “retrógrados, falso-moralistas”, que não concordavam com o comportamento dela e de sua indumentária nada comportada? Se estamos numa democracia (seja isso bom ou ruim), por que a maioria teria que se curvar perante a atitude de uma única pessoa que destoa de todas as demais alunas daquela instituição?

A Uniban tornou oficial a expulsão de Geisy por meio de uma nota (disponível aqui).

A UNE brandiu invocando a ira de Manoela Lisboa sobre a direção da universidade. Como sempre as notas da UNE são dignas de riso. A reportagem da  Globo diz:

Para a UNE, o caso mostra a “opressão que as mulheres sofrem cotidianamente, ao serem consideradas mercadoria e tratadas como se estivessem sempre disponíveis para cantadas e para o sexo”. A entidade também pede punição para os estudantes envolvidos no episódio.

E mais:

Somos Mulheres e não Mercadoria! 

Ora, será que a Srª Geisy foi tratada como mercadoria, ou se ofereceu como mercadoria? Será que a mentalidade de que a mulher é um “produto disponível” não está sendo disseminada exatamente por pessoas que agem como a Srª Geisy, isto é, expondo-se como carne no açougue?

Na verdade, eu não sei por que ainda me espanto com esse tipo de notícia e com o repúdio da sociedade “à moral e aos bons costumes”. No mundo é assim: a imoralidade ganha espaço e é defendida com unhas e dentes; ao passo que a decência é taxada de “moralismo” e repudiada como se fosse uma prostituta entre as virtudes… Incoerência sem igual!

« Página anteriorPróxima Página »