I

O Roberto Cavalcanti escreveu um texto interessante sobre “Preconceito”. Segundo ele, a “pequena dissertação pretende discutir, sob uma ótica filosófica, a problemática do preconceito. Trata-se de um tema em bastante evidência na sociedade contemporânea, tendo em vista que o termo ‘preconceito’ é um chavão recorrente em discussões no sentido de travar determinadas opiniões”. As considerações me pareceram bastante pertinentes e algumas até meio chocantes… Destaco:

“A palavra “preconceito” virou uma espécie de mantra politicamente correto. É utilizada de forma tão recorrente para censurar a veiculação de determinados argumentos, que vem funcionando hoje quase como um reflexo incondicionado destinado a silenciar interlocutores. Como um clichê socialmente recorrente, trata-se de um mecanismo de exclusão sumária dos dissidentes do pensamento dominante, em outras palavras, uma heresia politicamente correta”.

 

             II

Humberto Vieira, presidente do PROVIDAFAMILIA, elaborou um documento – a partir de uma base de dados muito sólida – intitulado “PARA ENTENDER O PT”. Recomendo fortemente a leitura! Há quem pense que os pró-vida sofrem de síndrome de perseguição: em tudo enxergam uma armação do movimento pró-aborto. Entretanto, partindo dos bastidores, o Humberto demonstra que o lobby dos aborteiros é uma realidade, e o financiamento das campanhas de promoção do aborto um fato mensurável… Confiram!

 

              III

Saiu na ACI: Santa Sé confirma a passagem do maior grupo de anglicanos à Igreja Católica. Com certeza essa notícia é espetacular porque retoma o sentido católico [original] do termo “Ecumenismo”: o retorno à Verdadeira Igreja de Cristo, a volta à plena comunhão com o Bispo de Roma, o regresso ao colo Mãe. Graças a Deus!

Entretanto, diante das notícias tortas dadas pelos grandes veículos de comunicação [sobretudo a televisão], cabem aqui duas ressalvas:

1 – Permitir que ex-sacerdotes anglicanos [casados] sejam admitidos ao sacerdócio católico não é o mesmo que autorizar padres católicos [celibatários] a contrair matrimônio; muito menos incutir nos seminaristas a idéia de que o celibato tenha sido abolido ou facultado à vontade dos candidatos ao ministério presbiteral.

2 – O “modelo canônico único […] regulável a diversas situações locais”, ao qual a Santa Sé se referiu, muito provavelmente funcionará como se os anglicanos fossem mais uma tradição a enriquecer o patrimônio litúrgico e espiritual da Igreja [como há, em alguns lugares, o rito próprio da Diocese]. Nada tem a ver com um novo rito, muito menos com a manutenção de costumes que, porventura, contrariem a Fé Católica.

 

             

Anúncios