1 – No Fratres in Unum encontra-se uma carta absurda escrita por um padre da Diocese de Limeira em defesa da  Missa de Paulo VI e contrária ao Rito de São Pio V. O reverendíssimo sacerdote a chega a dizer a seguinte bobagem: “O excesso de ritualismos, que acabava tirando a atenção da essência (que dá o ser a uma realidade) deveria dar lugar a uma liturgia mais envolvente, participativa e ligada à vida do povo”. Como não bastasse esse comentário infeliz do Padre Marcos Radaéllii, a Coordenação das CEB’s (sim, infelizmente elas ainda da existem!) da Diocese de Limeira complementou, e piorou, a asneira do padre. Em Nota Oficial de apoio a D. Vilson Dias, bispo daquela diocese, a organização TL diz (grifos e comentários entre parêntesis meus):

                   (…) As CEB’s, fiel aos ensinamentos do Cristo (piada, né?) e assumindo sua missão profética contemporânea quer colaborar nesta reflexão. Embora respeitemos o direito de expressão e organização dos aludidos cidadãos e cidadãs, estamos convencidos que a Santa Missa deve continuar sendo celebrada no idioma de cada comunidade. E mais: ao contrário do que defendem os referidos cidadãos, a catequese de nossa santa igreja evoluiu consideravelmente ao incluir elementos culturais dos nossos irmãos indígenas e afro-descendentes (afirmação gratuita de quem não tem a mínima noção da realidade em que a Igreja vive).

                   Embora a Missa celebrada em latim resgate a tradição tridentina, objetivo maior dos seus defensores, certamente seu ritual distanciará nossos irmãos da compreensão do amor salvífico do Pai e de nosso compromisso com seu reino (afirmação blasfema e herética! Quanta petulância!). É na Santa Missa que nos encontramos para, ao redor do altar, celebrarmos o amor de Deus por nós. No ritual, oferecemos a Deus o fruto do trabalho humano, para em seguida, consagrado no corpo de cristo, partilharmos o pão/corpo de cristo. Esta aí a catequese máxima: Se partilharmos anteciparemos o Reino de Deus (que visão medíocre do Evangelho… é lamentável!). É necessário que esta mensagem seja assimilada pelos nossos irmãos, caso aspiremos de fato o Reino de Deus entre nós. Agora, para que possamos compreender a mensagem é necessário que ela nos seja clara, perfeitamente audível e compreensível para o nosso irmão mais simples que não pode sequer freqüentar uma escola, que dirá conhecer outro idioma.

               Cabe ao profeta a missão de evangelizar. Para evangelizar é necessária uma comunicação eficiente, a exemplo de Paulo, o arauto do Evangelho. Agora, somente haverá comunicação eficiente quando nos despirmos de uma pseudo-erudição extemporânea, para falar a língua que todos possamos compreender. (tsc, tsc, tsc) (…)

 

            2 – No site da Montfort uma curiosa entrevista com o padre Héry que, segundo a própria Montfort é “uma das figuras das mais significativas do Instituto do Bom Pastor, do qual ele  é um dos fundadores, protagonista dos acordos com a Santa-Sé e da convenção entre o IBP e o Cardeal Ricard em Bordeaux”

Da entrevista destaco o seguinte trecho:

 

D.T. –Como uma tal «crítica construtiva » do Concílio será possível, já que o Vaticano II é um ato do magistério autêntico, na prática intocável?  

 

Abbé Hery – Certamente, o Concílio é um ato do magistério autêntico. Mas ele não é intocável, visto que a «autêntica recepção» do Concílio, conforme o Santo Padre, ainda não aconteceu, ou não é ainda satisfatória; portanto, ele é retocável, por via do processo de interpretação. Há um espaço de liberdade deixado à controvérsia teológica sobre o texto do magistério conciliar, mantendo salva a Tradição dogmática e apostólica…

 

D.T. –Isso não é colocar a Tradição acima do magistério? 

 

Abbé Hery — A Tradição não está nem acima, nem abaixo do Magistério. Nesse mesmo discurso de 25/12/2005, nosso Papa fustigou «a hermenêutica da descontinuidade», que opõe o magistério conciliar à  Tradição. Com efeito, o magistério autêntico não utiliza jamais a Tradição a seu capricho e não está acima dela: quando ele estatue de modo infalível, ele é o que chamo a Tradição «em ato». Quando ele não estatue de modo infalível, como a maior parte do Vaticano II faz, o magistério (ainda que autêntico) deve ser interpretado e recebido, sem ruptura com a Tradição, portanto à  luz dela.

 

D.T.– O senhor pode precisar em que a recepção de um Concílio permite fazer dele uma crítica construtiva?

 

Abbé Hery — O problema posto pelo Vaticano II é que ele não se parece em nada com os Concílios precedentes. Estes apresentavam ensinamentos, definições do dogma, condenações de erros opostos, que obrigavam a fé. Ao contrário, renunciando por princípio pastoral à toda pretensão dogmática (exceto a repetição de alguns pontos anteriormente definidos pelo magistério solene), o Vaticano II não se impõe à Igreja como objeto de obediência absoluta para a fé (cfr. Cânon 749), mas como objeto de «recepção».

Ora, a recepção induz a um processo de interpretação. Para um tal corpus de textos, a recepção exige trabalho, e sobretudo tempo. O Cardeal Jean-Pierre Ricard, em Lourdes, em 4 de Novembro de 2006, notou: «O Concílio está ainda para ser recebido» (isto é, para ser reinterpretado). E ele indicou a direção a seguir: aplicar-se à «uma releitura calma de nossa recepção do Concílio» e não «uma leitura ideológica», notadamente para «verificar os pontos que merecem ainda ser levados em conta.» O que significa uma vasta operação de colocar em questão (no sentido escolástico) de esclarecimento (no sentido de triagem) entre o que precisa ser salvo e o que não deve ser salvo; e, mais ainda, uma interpretação correta do que pode ou deve ser guardado.

 

 

            3 – Ainda sobre Anjos e Demônios, o Márcio Campos escreveu alguns comentários. No Tubo de Ensaio ele escreveu:

 

            “(…) Meu maior problema com livros e filmes do tipo Anjos e Demônios é que, ao misturar ficção e realidade, a tendência é que tudo seja absorvido pelo público como realidade. Não é como os livros do Jô Soares, que são comédias usando personagens históricos. Dan Brown se pretende sério; coloca “listas de fatos” no começo de seus livros. A pessoa vai ao cinema ver Anjos e Demônios e sai realmente achando que Galileu e Bernini eram Illuminati, que Copérnico morreu assassinado, que a Igreja atrapalha a ciência, que Pio IX era um maníaco que atravessava o Vaticano de martelo na mão, que a Igreja “marcou” quatro Illuminati (Langdon reprova o chefe da Guarda Suíça, perguntando se os católicos não lêem sua própria história. Bom, nós lemos; é que La purga não é história, é invenção de Dan Brown), que os cientistas querem refazer o momento da criação, que Galileu escreveu o tal Diagramma e por aí vai. Isso é um desserviço considerável à verdade histórica, e também à ciência”.

 

            No Blog do Veritatis, o mesmo Márcio Campos complementou:

 

            “Fora essa tentativa absurda de jogar lama na reputação da Igreja, o filme ainda tem um punhado de erros. Pelamordedeus, tivemos um conclave real em 2005! Nunca se escreveu tanto, nunca se explicou tanto na imprensa como funciona a eleição de um Papa. E conseguem fazer um zilhão de coisas erradas. Tudo bem que o livro foi escrito em 2000, mas ainda assim temos uma série de aberrações. Tem cardeal citando a Romano Pontifice Eligendo, de Paulo VI, que foi abolida em 1996 pela Universi Dominici Gregis, de João Paulo II; tem cardeal propondo eleição por aclamação, quando ela foi abolida por João Paulo II no mesmo documento; o filme coloca muito mais de 120 cardeais na Capela Sistina; inventa um cargo de “cardeal grande eleitor”, inelegível, que não existe. Será que Dan Brown não sabia que o camerlengo é necessariamente um cardeal? Que não existe restrição à eleição de não-cardeais ao papado? O pior é que dá para perceber que foi, sim, feita pesquisa. Há detalhes como as cédulas sendo costuradas depois da votação, o “extra omnes”, coisa que só quem estudou o assunto conhece. E ainda assim cometem essas barbaridades.

            Mas isso é o de menos comparado à difamação da Igreja, retratada como cruel adversária da ciência, quando na verdade ela foi uma grande incentivadora da pesquisa científica. De fato, só por isso não valeria a pena gastar dinheiro com o filme. Se um ingresso cair do céu, ou se um dia passar na televisão, até seria uma oportunidade para evangelizar alguém, explicar o que está errado. Mas financiar a calúnia, aí não sei não…”

Anúncios