Para não perder o costume de elevar a figura de D. Hélder Câmara e – ao mesmo tempo – denegrir a de D. José Cardoso Sobrinho, o JC lançou hoje um artigo intitulado: os dons do “Dom”. De autoria do ex-deputado Dorany Sampaio, o texto não se acanha em elogiar grandemente D. Hélder: “um dos brasileiros mais notáveis do século passado”, “bravo líder religioso”, “intrépido defensor dos direitos humanos”.

            Além disso, Dorany relembra que D. hélder foi o “principal inspirador e artífice” da CNBB. Reitera, também, sua “lucidez e clarividência políticas”, seu papel durante e após a derrocada do regime militar, etc.

            Colocados os devidos pontos nos is, alguns desses elogios seriam justos. Mas tudo vem por água abaixo quando o autor arremata: “Lamentavelmente para todos nós, não tem sido fácil encontrar outros Doms, como aquele!” A crítica ao atual arcebispo é velada, mas perceptível. Por que essa mania de tentar dividir a Igreja de Olinda e Recife em antes e depois de D. Hélder Câmara? Por que tentar colocar um bispo contra o outro? Passam os dias e não consigo encontrar essas respostas… Mas a pergunta que verdadeiramente me inquieta é a seguinte: se alguém escrevesse um texto tecendo elogios a D. José será que o JC publicaria?…

 

Anúncios