“Escolhei hoje a quem quereis servir” [Js 24, 15]. Esta foi a colocação de Josué perante o povo de Israel em um momento muito significativo da história dos hebreus. O povo que gozava de especial predileção por parte de Deus precisava fazer uma escolha entre servir ao Senhor ou aos ídolos; entre submeter-se a uma visão puramente “horizontal” da vida [visão esta representada pelos ídolos confeccionados pelos próprios homens] ou voltar-se de todo o coração para o Deus Altíssimo, seu Criador. A decisão era entre manter os pés no chão ou dar o ousado “salto da Fé” [como diria o papa Ratzinger]. Josué, que havia interpelado o povo a posicionar-se e pronunciar-se, afirmou: “Eu e minha casa serviremos ao Senhor” [idem]. Assim ele decidiu – por si e pelos seus – que não abandonaria Aquele que os havia tirado do Egito “com mão forte e braço poderoso” [Dt 5,15] . Ele sabia que Deus os havia criado para o que é “do alto” e que as coisas aqui “de baixo” – por mais importantes que fossem ou parecessem –  deveriam ficar sempre em segundo plano.

               Quando Jesus afirmou que o Seu Reino não era “deste mundo” [Jo 18,36], ele nos estava indicando precisamente esta dimensão transcendente que envolvia Ele próprio e Sua missão. Nosso Senhor estava expondo a dicotomia entre este mundo e o mundo que há de vir. Estava nos alertando para o fato de que – diante de tal dilema – o homem precisa fazer uma escolha. Ora, Josué a fez e não creio que tenha se arrependido. Cada um de nós também precisa decidir. O que queremos? A quem queremos? 

               Diante de tantas propostas que o mundo nos apresenta é lamentável ver que o rumo que nos apontam os Senhores Bispos do Brasil [não todos, é claro] parece ser o “daqui de baixo”, e não o “lá do alto”. Jorge Ferraz publicou estatísticas  lamentáveis com respeito ao materialismo que se observa na Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2010. Trago aqui os números que Jorge divulgou no Deus lo vult!   como fruto de suas “buscas” no texto base da CF:

Eis aqui as estatísticas. A metodologia utilizada é trivial: a caixa de pesquisa do Acrobat Reader. Quando as expressões aparecem “puras”, é porque a busca foi feita por elas ipsis litteris; quando aparece “e derivados”, é porque consultei pelo radical (p. ex., ‘arrepend’, o que engloba tanto ‘arrependimento’ quanto as formas verbais ‘arrependei-vos’, ‘arrependi-me’, ‘arrepender’, etc.).

Os resultados são os seguintes:

“Jesus”: 37 ocorrências (“Nosso Senhor”, uma única ocorrência, na oração da CFE).
“Católica” e “católicos”: 8 ocorrências.
“Conversão” (e derivados): 7 ocorrências.
“Oração”: 5 ocorrências (sendo duas vezes no título “oração da CFE 2010″, a do índice e a da página correspondente).
“Caridade”: 4 ocorrências.
“Esmola”: 3 ocorrências.
“Pecado” (e derivados): 2 ocorrências.
“Jejum”: 2 ocorrências (e recomendo que vejam quais são!!).
“Virgem Maria” (a pesquisa foi feita por “Maria”): 2 ocorrências (“Nossa Senhora”, nenhuma).
“Arrependimento” (e derivados): 2 ocorrências.
“Sacramento”: 2 ocorrências.
“Papa”: 2 ocorrências.
“Magistério”: 1 ocorrência.
“Penitência”: nenhuma ocorrência.
“Eucaristia”: nenhuma ocorrência.
“Missa”: nenhuma ocorrência.
“Sacerdote”: nenhuma ocorrência.
“Calvário”: nenhuma ocorrência.
“Cruz”: nenhuma ocorrência.
“Trindade”: nenhuma ocorrência.
“Santificação”: nenhuma ocorrência (“santificar” tem duas, no comentário sobre o Pai Nosso).
“Redenção” (e derivados): nenhuma ocorrência (“Redentor” aparece uma única vez, numa nota de rodapé, em referência – pasmem! – a um livro sobre Martin Luther King, chamado “O Redentor Negro”! Está à página 55).
“Confissão” (sacramento): nenhuma ocorrência (há duas referências a “confissão”, na expressão “Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil”, com as maiúsculas por conta da CNBB).

Em contrapartida:

“Economia (e derivados): 142 ocorrências.
“Solidariedade” (e derivados): 81 ocorrências.
“Pobre” (e derivados): 75 ocorrências.
“Direito(s)”: 74 ocorrências.
“Terra”: 64 ocorrências.
“Trabalho”: 56 ocorrências.
“Social” (e derivados): 54 ocorrências.
“Política” (e derivados): 39 ocorrências.
“Mercado” e “Mercadoria”: 30 ocorrências.
“Desenvolvimento”: 29 ocorrências.
“Povo”: 27 ocorrências.
“Miséria”: 12 ocorrências.
“Exploração” (e derivados): 11 ocorrências.

 

               Bem, vou furtar-me a fazer comentários sobre esses números porque Jorge já os fez de modo brilhante. Mas não posso deixar de manisfestar minha indignação frente a uma realidade, digamos, tão triste…

              Senhores Bispos, queremos estar puros ante a Justiça Divina e não somente alcançar a tão sonhada justiça “social”. Queremos, sim, amar os pobres. Todavia, almejamos mais que isso: queremos ser pobres em espírito para assim herdar o Reino de Deus [vide Mt 5, 3]. Queremos “novos céus e nova terra” [2 Pd 3,13]. Queremos ser mais que solidários: queremos ser caridosos. Somos gente de metas altas e não de propostas medíocres [porque demasiado horizontais]. Queremos, enfim, servir a Deus e não ao dinheiro. Isto nos basta: servir a Deus e nada mais.

 

About these ads